Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Pânico de Avião

   Num taxi, em direção ao aeroporto, Simone estava pensativa:
- Infelizmente, não puxei a mamãe. Cresci ouvindo-a dizer que não queria morrer sem antes andar de avião. Coitada. Seu desejo nunca foi cumprido. Engraçado. Logo eu, que morro de medo, tenho que viver nesta ponte aérea.
- Chegamos madame.
- É mesmo. Obrigada. Quanto foi a corrida? - e continuou pensando:
- Meu Deus. Está chegando o momento crucial. Meu pavor, mesmo, é na hora de levantar vôo. Quem vai me ajudar, hoje?
- Senhores passageiros, apertem o cinto para a decolagem!
- Nossa! A aeromoça já deu o aviso! Moço, posso  segurar na sua mão?
- Por quê?
- Porque tenho medo. Posso? Por favor, não fale nada, sim?
- Tudo bem!
Daí a pouco...
- Ai! Solta! Você está me machucando!
- Desculpe. Minhas unhas estão muito compridas.
 Na outra semana...
- Posso segurar na sua mão um pouquinho, seu... Seu... Seu...
- Coronel Duarte, às suas ordens.
- O senhor se importa se eu segurar  na sua mão?
- A senhora tem medo? Que absurdo! Este meio de transporte é muito seguro!
- Por favor, fique calado.
Quando o avião aterrissou, Simone percebeu que havia arrancado o botão dourado da farda do coronel e,  muito sem graça, lhe disse:
- Seu coronel, quero lhe devolver o seu botão.
-  Que bobagem este seu medo! Faça como eu, que viajo toda semana e...
- Por favor, aceite o botão logo, porque tenho que descer aqui.
- Viajar de avião é tão tranqüilo! Não tem nada melhor do que...
- Muito obrigada e o seu botão está aí na poltrona.
 Um mês depois...
- Se Deus quiser, esta será a última vez que viajo neste trem. Meu medo é tanto que vou acabar morrendo de enfarte aqui dentro. - pensava ela - E o pior é que hoje o avião está vazio e não tem ninguém por perto para eu segurar. Ah! Graças a Deus chegou uma mulher com o seu filhinho.
-Boa tarde. Podemos nos sentar ao seu lado? Não gosto de viajar sozinha.
- Eu também, não. Sente-se. Deixe-me  pegar o neném um pouquinho?
- Pode sim, mas ele está com uma diarreiazinha.
- Não tem problema. Gosto de criança com febre, coqueluche, sarampo, etc.
O bebê não estranhou o colo diferente e até gostou de ficar apertadinho no peito da medrosa.
Ao chegar ao seu destino, ela o entregou à mãe e viu que estava toda borrada.
Antes de seguir para a sua reunião, passou no toalete, tomou um banho, trocou de roupa, tomou uma decisão e chamou um taxi:
- Motorista, por favor, siga  para a rodoviária.

Anna Célia Dias Curtinhas
                     
Anna Célia
Enviado por Anna Célia em 02/05/2005
Código do texto: T14257

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Anna Célia Dias Curtinhas _ http://annacelia.multiply.com/). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Anna Célia
Vitória - Espírito Santo - Brasil, 70 anos
1158 textos (55245 leituras)
1 e-livros (216 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 20:20)
Anna Célia