Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Contemporaneidade

CONTEMPORANEIDADE

               
        Por vezes ficamos diante de situações constrangedoras e temos que decidir, quase que inconseqüentemente devido ao exíguo tempo disponível. Não poucas vezes, essas situações, ocorrem durante nossa existência e envolvem outras pessoas, animais, vegetais, recursos naturais em geral, etc...
       Àqueles que não queiram aceitar essa realidade, informo que estarão diante de duas opções: 1) Despem-se dos seus orgulhos; preceitos e conceitos e externam uma opinião menos traumática ao seu modelo imaginário de sociedade e comportamento cidadão ou, 2) Recolhem-se à insignificância dos homens omissos, despreparados e incapazes de aceitar uma situação adversa, mesmo que temporária.
       A virtude do pensar, analisar, julgar e emitir uma opinião, são condições básicas que diferenciam o ser humano dos demais seres, tidos e havidos como irracionais. Portanto, se Deus ofertou-nos essa dádiva (ou castigo?), foi no sentido de até poder entender nossas posições diante de cada situação e estabelecer critérios para situar-nos no organograma da vida. Por isso, quando o homem pratica um delito qualquer, por menor que seja essa transgressão, deve ( ou deveria?) ser tomado pelo espírito de culpa e procurar uma forma de regenerar-se ou desculpar-se, para inclusive suportar-se e continuar sua trilha de vida, buscando firmar-se em seus princípios comunitários e, o mais importante, respeitar melhor os espaços e opiniões alheias. A partir desses entendimentos, a humanidade procura (ou não?) evoluir e mostrar-se mais solicita, doadora, pacificadora, paciente e compreensiva. Porém e não poucas vezes, emergem situações de desrespeito, indignações, furtos, agressões, crimes contra a fauna e flora, também contra o patrimônio de qualquer tipo e até suicídios. Também ocorrem as guerras, os atentados suicidas, mudam-se os hábitos e costumes, estabelecem-se novos regimes de domínio social, de formas administrativas, de legislações capazes de inibirem a saga dominadora, chegando ao limite extremo de mudarem os próprios Deuses.
       Apesar de hoje encontrar-se num mundo de tecnologia avançada, desfrutar de tantos benefícios e vantagens, poder decidir  sobre  os destinos dos outros seres,  porque o homem não é capaz de entender sua vida, origem e espaço? Porque entre os foguetes que alcançam Marte e tantos outros planetas e satélites, não surgem novos cometas de paz? Porque os casos de criminalidade, pedofilia, vícios e drogas perniciosos à sociedade, multiplicam-se incessantemente?
       Depois de sairmos das cavernas, deixarmos nossos tacapes, criarmos tudo isso que está à nossa disposição, ainda não percebemos que, ao aqui chegarmos, já existia o quase perfeito e mais sublime da existência, ou seja, um paraíso onde o equilíbrio e as interações, respeitavam-se e doavam-se, como querendo orientar-nos para a trilha que deveríamos percorrer. Então é óbvio optar-se pela primeira opção e entender que o certo, só se encontra depois de muitos erros e, a verdade após assimilarmos todas as mentiras. Aí, amadurecidos e conscientes, quem sabe, poderemos ser chamados de racionais?
       A omissão, jamais poderá contribuir com o desenvolvimento da humanidade! Aquele que não é capaz de mostrar seu próprio interior, já é rejeito da sociedade e, finalmente, os que ainda assim transgridem os princípios básicos de interação e equilíbrio, nem sequer precisariam ter existido. Viver bem é deixar que todos vivam igualmente.
Condorcet Aranha
Enviado por Condorcet Aranha em 22/04/2006
Código do texto: T143542

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Condorcet Aranha
Joinville - Santa Catarina - Brasil, 76 anos
106 textos (14597 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 12:42)
Condorcet Aranha