Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SÃO MUITOS “PAPAIS NOEL” PARA POUCOS NATAIS

SÃO MUITOS “PAPAIS NOEL” PARA POUCOS NATAIS
                                                                                                                     
       Não são poucas as décadas que venho vivenciando natais, em circunstâncias às mais variadas e que no fim, parecem-me exatamente iguais.
       Irmanam-se, falsamente, homens de diversas etnias e, em torno de uma imagem mais falsa ainda, a quem denominam de “Papai Noel” , com a qual fazem questão de mentir e criar na mente de seus próprios filhos, um gigantesco ídolo de desprendimento e de bondade, apesar de sabedores da pura realidade, totalmente oposta.
       A insegurança e os aterrorizadores índices de criminalidade, revoltam e envergonham os verdadeiros seres humanos e racionais que ainda existem e vivem essas evidências do mundo contemporâneo.
       Cobertos pelo manto de uma globalização mentirosa e facciosa, milhões de “Papais Noel” são enviados pela corja capitalista, minoritária mas dominante, em cujas mãos desumanas, são ajustadas as rédeas de corsários inocentes ou complacentes a puxarem as carruagens onde transportam, sem nenhum respeito ou conhecimento de causa, os destinos da civilização do planeta. Aliás, desculpem-me todos os seguidores da verdade se apenas a palavra é minha arma, porém tenho a nítida consciência de que com ela, se irmanados em nosso propósito de vida e de desenvolvimento cultural, alicerce de qualquer sociedade racional, dispararmos as balas da verdade, respeito à cidadania, democracia plena e honestidade, certamente executaremos sem piedade esses “Papais Noel” corruptos, prepotentes, infiéis, subjugados aos interesses internacionais de um grupelho de nações insensíveis que hoje administram a Terra. São esses malfadados “Papais Noel” que carregam em seus bolsos os doces e balas coloridas, com os quais traem e corrompem as nossas crianças, desde a mais tenra idade.
       Há de se voltar no tempo, a imagem de Papai Noel, e recoloca-la no devido lugar, aquele único, o mesmo para todas as crianças e não, a desses “Papais Noel” de esquina ou de cadeiras no interior de lojas comerciais, travestidos com as mais repugnantes “caras-de-pau”, desvirtuando irresponsavelmente a imagem daquele que deveria representar o respeito, carinho, amor inocente e atenção pra nossos filhos. São infelizes que vencidos pelo sofrimento de conviverem com a miséria que lhe é imposta, por aqueles que nessas horas os contratam, se sujeitam por insignificantes reais a desempenharem esse papel desumano, querendo obter esse recurso tão pequeno e até insuficiente para que ele possa presentear seu próprio filho ou neto, esmagando seus princípios éticos e de cidadania.
       Que, cada cidadão desse meu País, reverencie e respeite as imagens dos verdadeiros ídolos e os dignifique. Vulgarizar, descaracterizar e desmistificar a imagem pura do único e virtual, Papai Noel, que apenas existe nas pequeninas e inocentes cabeças de nossas crianças, é como invadi-las, rasgar-lhes o peito e retirar lá de dentro, os acelerados corações, deixando-os a palpitar sem sentido, sem ilusões, sem esperanças, sem amor e destituídos da fé, de que um futuro melhor ainda poderá existir.
       
Condorcet Aranha
Enviado por Condorcet Aranha em 22/04/2006
Código do texto: T143554

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Condorcet Aranha
Joinville - Santa Catarina - Brasil, 76 anos
106 textos (14597 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 12:14)
Condorcet Aranha