Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Cooper no domingo

      Jurei nunca mais cronicar (neologismo?).Mas resistir "quem há de"?
     Recomecei minhas caminhadas matinais.Mais por motivos de saúde que de estética.
     Aí, então, entra a lente do cronista. O que fazer? Cronista é assim, capta o mais insignificante e óbvio detalhe do cotidiano.Também coisas inusitadas.
     Não acordo muito cedo.Às seis da manhã, inicio minha caminhada que é, razoavelmente, curta.Na avenida, observei uma veradeira violência ecológica:derrubaram várias amendoeiras de muitas décadas e também palmeiras que compunham o jardim paralelo à rodovia.Vê-se que estão renovando esse jardim e prossegue a formação da parte que falta, aliás, essa, em proporção bem maior. Isso é bom! Entretanto, por que cortar as árvores? Por que não apenas podá-las? Numa cidade de temperatura elevada, de sol causticante, sombras que minimizam essas características são desprezadas? É um absurdo! E não justifiquem culpando a rede elétrica! É um problema que pode ser solucionado com a poda das árvores. A não ser que haja outro motivo muito sério que se possa argumentar essa derrubada.
     Atravessei o local penalizada com o que vi e eis que me vem ao encontro um jovem bêbado, serpenteando, ziguezagueando pelas calçadas.Felizmente não me perturbou. Andava como um autômato.Atravessou a rua, enfrentando os ônibus que já circulavam àquela hora. Nei sei como não foi atropelado. Tão jovem! Aparentava uns dezesseis ou dezessete anos. De porre e solitário!
     Mais adiante, dois rapazes andavam conversando e rindo alto. Certamente comentavam a noitada. Um deles, de blusão vermelho, estava descalço, segurando as botas na mão.
     De repente, ouço vozes alteradas num bar. Dois homens discutiam. Provavelmente, vítimas também de um porre. Alguém (suponho que o dono do ambiente) os olhava com ar reprovador, porém, precavido, não ousou dirigir-lhes a palavra.
     Noutro bar, três homens beberam o último gole e chamaram o garçon que se aproximou com ar de sono. A garçonete dava os últimos retoques no local, preparando-o para ser fechado. Todos eles vararam a noite. O raiar da aurora intimidava aqueles fregueses notívagos e encontava o cansaço estampado na face dos funcionários da casa. Enfim, os farristas entraram num carro que partiu, rangendo os pneus. Parecendo aliviado, um garçon fechou o portão e pôs um cadeado.
     Regressei, pensando em tudo isso que são ossos do ofício para o caminhante das manhãs de domingo (à exceção de ver sempre árvores destruídas!). Próximo a minha rua, ouvi, em alto volume, os primeiros acordes de uma música na voz gravada por Nilton César (sucesso da década 60):"À Índia, fui em férias passear..." É isso aí. Tem gente que escolhe o domingo pra mexer no baú (que não é do Raul) de discos(vinil ainda?) às primeiras horas da matina.
     Ah, espante-se!Esse texto é datado de 27/5/97, portanto,
também remexi hoje no meu baú!
         
Nadir de Andrade
Enviado por Nadir de Andrade em 23/04/2006
Código do texto: T144150
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Nadir de Andrade
Barreiras - Bahia - Brasil
134 textos (6222 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 16:36)
Nadir de Andrade