Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Dia azarado

01/09/05
O Dia Azarado

Harison, aos olhos dos vizinhos, era um menino de ouro. Acordava cedo, era educado, cavalheiro e trabalhava como um verdadeiro cidadão. Disposto a ser alguém na vida um dia. Tinha, aparentemente, um futuro promissor e uma carreira bem sucedida.
Sempre dirigia seu automóvel dentro da velocidade permitida, atento a tudo que o cercava, obedecendo às normas de trânsito, sinalizações, cinto de segurança... Tinha as características perfeitas para todas as mocinhas frágeis que precisavam de um protetor, uma espécie de guarda-costas.
Certo dia estava dirigindo seu veículo normalmente, mas um pouco distraído, pensando no seu futuro promissor. Neste frenesi, foi abordado por um grupo mascarado.
Achando melhor não reagir, entregou logo o carro para os assaltantes e correu em disparada com medo de um possível tiroteio. Os ladrões, por sua vez, dirigiram o automóvel a 180km/h. Nessa velocidade, bateram em outro veiculo.
Os ledores não serão capazes de adivinhar em que o automóvel bateu.  Dou-lhes alguns segundos para pensarem e talvez acertarem. Nada, leitores? Simplesmente, colidiram numa viatura policial. Os policiais os detiveram para averiguação. Durante as investigações, os agentes estaduais descobriram que os fulanos tinham roubado o automóvel.
Eles também descreveram o suposto proprietário do veículo, que não conferia com a foto registrada no Órgão de Trânsito. Descobriu-se, portanto, que Harison era também um pilantra que tinha usurpado o veículo. O automóvel foi até clonado.
Realmente hoje não houve sorte para nenhum criminoso. Ainda bem! Tomara  que seja sempre assim. Harison foi encontrado em seu esconderijo e foi preso juntamente com os outros colegas de profissão em prisão de segurança máxima, julgado e condenado por crime de roubo, clonagens de automóveis e outros crimes que estão descritos no curriculum vitae de cada criminoso. E não foram perdoados como diz o ditado: “ladrão que rouba ladrão tem cem anos de perdão”.
No dia que foi pego, os vizinhos não sabiam o quê pensar, como Harison  conseguiu enganá-los daquela forma. Ainda não acreditando na versão policial, foram todos visitá-los no presídio. Trataram-no como filho querido e estimado, mas Harison mostrou a sua verdadeira identidade de  criminoso convicto, que tem várias faces para cada uma de suas vítimas e que planeja sempre um outro crime assim que tiver oportunidade de fuga, pois para a sua cabeça de gênio, assim achava, tudo era possível. Os vizinhos chegaram a conclusão de que  "quem vê cara, não vê coração".

                                  Adriana Quezado

ADRIANA QUEZADO
Enviado por ADRIANA QUEZADO em 27/04/2006
Reeditado em 10/05/2006
Código do texto: T146342
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
ADRIANA QUEZADO
Fortaleza - Ceará - Brasil
202 textos (13850 leituras)
1 e-livros (78 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 15:44)
ADRIANA QUEZADO