Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

O Negro

A raiz do negro é o fortalecimento cultural que alicerçou a sua existência, com resistência, na construção de uma vida, longe de sua mátria, distante de sua frátria, mas consciente de uma Pátria encontrada. E esse é o ser da diáspora africana, que trouxe o toque de tambor, o batuque e o batucajé, o omoloco, o tambor de minas, o Xango do nordeste, e o candomblé.
Foi o ser negro que ensinou-nos, o vatapá, o cus-cus, a feijoada  e o acarajé, que nos mostrou os seus deuses com todas as virtudes e os defeitos que o próprio ser humano, que possibilitou-nos entendermos a frase "não creia num deus que não dançe", e assim construimos os nossos pontos aqui na terra firmado na pedra filosofal, sejas no mar, no ar, nas plantas assim como entendemos os nossos orixás. O nosso sincretismo nasce desta construção religiosa, fazendo cabeças, e assim nasceu a umbanda, como uma nação de paz e amor, um mundo de flor, a iluminar e humanizar todos os seus filhos. E é da umbanda que nasce a quimbanda com suas encruzilhadas, no respeito pela vida, pelas dores e pelo castigo da quizila, pelos mal atos praticados, pois quem planta o vento colhe a tempestade, pois não cairá uma folha da mangueira se não houver o designo de nosso pai Orixá-Alá.
É da cultura, banto, gegê, nagô, hottentotes yorubanos e islâmica, vimos a beleza de uma etnia em desfile pelas escolas de sambas, pelos terreiros, que nos deixam um legado cultural incrível, ao nosso olhar no nosso íntimo, ao nosso entendimento. É o unico povo que luta, em passo de dança, como um balé de capoeira, que já inspirararam no Brasil, artistas como Baden Power, Vinícius de Morais e Camafeu de Oxossi.
A flor desta cultura é a geração que precisa viver, que pra isto tem de respirar, e construir parâmetros de sociabilidade de vidas pra transformação deste PAÍS. essa é a geração que não pode apenas respirar o eurocentrismo histórico do currículo escolar, que não pode viver com o processo discriminatório, de uma sociedade que faz uma medicina neligente, pois não há coragem pra fazer um exame de anemia falciforme nos postos de saude ou sejas pelo "sus" sistema unico de saude ou pela medicina privada, e é essa geração que não pode apenas ser o autores vítimas das batidas policiais inadequadas discriminatórias, pois o passado mostra-nos que nas academia de policia o ser negro era tido como bandido em potencial, obviamente graça ao fruto de uma política que passa pela mestiçagem, pela luso-tropicalidade, pela falsa democracia racial, tão descrita por Gilberto freire e tão desmascarada pelas obras de Florestan Fernandes.
Ser negro é ter da raiz a flor, uma identidade de amor pela natureza, de respeito ao outro, na construção deste país, como nação, a dispora africana, no Brasil fincou raiz e hoje exige participação nas universidade, no mercado de trabalho, no respeito social, dai ser negro é ser essencialmente brasileiro, tido hoje como afrodescendentes, os guerreiros do Brasil, guerreiros da Paz e da harmonia.
Manoel Messias Pereira
Enviado por Manoel Messias Pereira em 28/04/2006
Código do texto: T146814
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Manoel Messias Pereira
São José do Rio Preto - São Paulo - Brasil, 61 anos
84 textos (7175 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 12:31)