Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CIRCO BRASIL

CIRCO BRASIL
(Autor: Antonio Brás Constante)

Bem-vindos ao circo Brasil, um lugar onde a platéia sofre os dissabores e as dores, se esvaindo em sacrifícios para que as estrelas eleitas ao palco usufruam das maravilhas do espetáculo.

Ao povo que a tudo assiste vestido de palhaço, não são fornecidas cadeiras. Ao contrário, lhe mandam andar na corda bamba e efetuar verdadeiros malabarismos para continuar sobrevivendo. Este circo não é para crianças, que se vêem abandonadas, prostituídas, deixadas em filas de hospitais sem atendimento, cheias de dor e sofrimento, prontas para morrer. Largadas nos campos para serviço escravo ou nas ruas pedindo esmolas. No circo Brasil, as crianças não têm vez ou voto, nem sequer tem direito de irem à escola.

Neste circo onde ao invés de lonas se armam conchavos. Vivemos enjaulados dos animais selvagens que andam livres graças a uma justiça falida, que liberta estupradores, assassinos, pedófilos, seqüestradores e traficantes, deixando-os soltos para andarem ao nosso redor, prontos para roubar o pouco que temos, livres para matar e agredir, enquanto por trás de grossas grades sofremos.

Um circo cujo elenco é formado por senadores, governadores, juizes, desembargadores, prefeitos, vereadores, ministros e deputados, entre tantos outros que têm nas mãos sua parcela de culpa por deixarem um fardo de insegurança, desemprego e doença a uma população onde muitos trabalham feito escravos.

Inescrupulosos seres políticos, que em muitos lugares oferecem futebol, carnaval e cachaça, ou quem sabe até mesmo festas baratas (a um custo extremamente caro), para um povo que necessita é de emprego, moradia, e melhores condições para viver e poder ganhar o seu pão de cada dia.

Somos a atração que move o espetáculo, enquanto no picadeiro político, hábeis ilusionistas nos enganam, fazendo-nos ter esperanças em suas mentiras com aroma de hortelã. Que são vomitadas em cada nova eleição sobre nosso semblante sofrido de mãos calejadas, em uma terra por eles amaldiçoada, porém em nossos corações ainda amada. Na qual vivemos sobre o pesado jugo de suas imensas mesquinharias.

Um show de horrores sem fim. Onde pagamos para entrar e rezamos para poder sair. São diversas tendas prontas para o pobre povo iludir. Cada uma com uma sigla. Partido disto ou daquilo ali. “Podem confiar”, é o que dizem. “Estamos aqui para lhes servir”. O ingresso custa um voto. É só depositar e conferir. Entrem e alimentem todas as feras que devoram este País.

(SITES: www.abrasc.pop.com.br e www.recantodasletras.com.br/autores/abrasc)

NOTA DO AUTOR: Divulgando este texto para seus amigos. (Caso não tenha gostado do texto, divulgue-o então para seus inimigos).
Antonio Brás Constante
Enviado por Antonio Brás Constante em 01/05/2006
Reeditado em 18/05/2006
Código do texto: T148505
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Antonio Brás Constante
Canoas - Rio Grande do Sul - Brasil, 100 anos
399 textos (85260 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 13:39)
Antonio Brás Constante