Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

usos e abusos

Cá estou a "cronicar" de novo... Gostei do título, sem ele talvez não me predispusesse a escrever sobre...
Pela primeira vez fui insultado aqui no Recanto das Letras, coisa que nem sequer me parece grave. Serve para este exercício de auto-análise, feito como introspecção e simultaneamente extrospecção.
Não me parece grave porque quem anda à chuva molha-se, se me abrigo da chuva, também posso abrigar-me de comentários desagradáveis se isso for importante. É esse um dos temas de hoje, mas não só. Ser-me-á interessante analisar o tipo de insulto, como foi utilizado, por quem? Denominado "ancião", o pseudónimo escolhido pelo "insulta_dor"?
Quando alguém insulta pretende, com certeza?, provocar alguma dor: levantando descrédito, enxovalhando, em suma, insultando, soltando os cães...
Um insulto só atinge quem se sente insultado, diz-se... Que dizer dos homens que, por exemplo, só porque são políticos, são difamados e arrastados pela lama? Azar o deles escolherem uma profissão tão mal vista? A política começa por não ser profissão, para muitos é um desafio que resulta numa eleição e pode redundar num quebra-cabeças. Para outros é apenas um convite honroso que pode levar ao opróbrio (o_pró_brio que se vai para...), palavra difícil aplicável em situação difícil para quem (sem se desonrar...) é desonrado.
O insulto que recebi já o direi, dizendo primeiro porque julgo tê-lo recebido. Quem me manda falar sobre um tema tabu: Religião. No "Dia do Trabalhador" apareceu um "Sogueira", em "Quem faz anus" aparece um "ancião", não deve ser coincidência.
Na história dum aniversário... "Quem faz anus" tem uma sonoridade cu_ri_osa, homófona de anos. Tal como o título de hoje, cativa a minha apetência onomatopaica por topar sonoridades: sonora idade na palavra. No caso desse texto "Quem faz anus", terminei-o com uma interrogação provocatória "Quem fez anus?", uma provocação... quase marginal dentro da história.

{A completa crónica incompleta! Ainda uma outra, "nota solta"...
Amanhã apetecer-me-ia escrever uma "crónica de costumes": Quem é puta? Talvez qualquer dia, para não entrar por esta via de temas "quentes" que não são sequer "frescos" ou podem não ser.}
Francisco Coimbra
Enviado por Francisco Coimbra em 03/05/2006
Reeditado em 04/05/2006
Código do texto: T149644
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Francisco Coimbra
Portugal
785 textos (310483 leituras)
37 áudios (39565 audições)
1 e-livros (148 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 14:57)
Francisco Coimbra