Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Dona Pata

16/05/99
A DONA PATA

A Senhora Idalina era conhecida como Dona Pata. Não sei bem o porquê do apelido. Não gerou filhos, tinha somente um zoológico.
Todas as pessoas sentiam medo dela até os próprios animais que criava. Possuía um em especial que estimava muito, o cachorro Pimpo.
No início, tratava as empregadas com pão-de-ló, uma semana depois ... só DEUS sabia.
Pedia a toda hora e a todo segundo a todos os santos um “príncipe encantado”. Como achava que os santos demoravam para conceder a graça, colocava-os de costas e de cabeça para baixo de castigo. Os santos, por sua vez, faziam greve e não lhe davam de jeito maneira o príncipe.
Como não podia contar com os santos, resolveu comprar o príncipe: ofereceu uma vaca a uma pessoa para que lhe arranjasse um namorado, e ainda descreveu pormenorizadamente o retrato de como ela queria. Vejam tamanha exigência!
Nesse ínterim, conseguiu o pretendente: lindo, amoroso, rico, calmo e outras coisas mais. Resumindo: casou com um “príncipe” de corpo e de alma chamado Leopoldo.
Como desde pequena conhecia a história da Cinderela e que às 12 horas desfazia-se todo o encanto, ela por conseqüência perderia o seu príncipe, Pata depois de tanto sacrifício para encontrar o seu não queria perdê-lo de jeito nenhum, então passou a almoçar pontualmente às 11 horas.
Do portão da casa deles, ela gritava: “Leopooooooooldo, o almoço está na mesa”. Ele ouvia, aliás, toda a redondeza ouvia o grito. Ele, todo educado, mas morto de vergonha, dizia com seu botão, “A Idalina sabe que não posso sair às 11:00h e ainda insiste”.
Quem também sofria com essa história de 11 horas eram as visitas que iam almoçar na casa dela e ficavam sem comer, pois tinham tomado café da manhã tarde e Pata não mudava seu horário.
Ela também tinha um papagaio que todos os dias dizia cronometradamente.
-Pata cadê papai?
-Pata, são 11:00h, papito ainda não chegou.
-Pata ponha a mesa.
Quando adoeceu, sentiu que ia morrer, fez uma mortalha, experimentou-a e deitou no caixão como fosse um ensaio. E ainda perguntou:
-Estou bonita?
Que DEUS a tenha.



ADRIANA QUEZADO
Enviado por ADRIANA QUEZADO em 08/05/2006
Reeditado em 16/07/2008
Código do texto: T152282
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
ADRIANA QUEZADO
Fortaleza - Ceará - Brasil
202 textos (13849 leituras)
1 e-livros (70 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 02:54)
ADRIANA QUEZADO