Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

INSATISFAÇÃO FEMININA


Jornais, revistas, publicações mil...
Todas anunciam e prometem milagres:
_ Vai uma plástica aí! Turbinar  os seios? Ou quem sabe tudo novo?
As mulheres andam insatisfeitas.
Parece que seus corpos  precisam  constantemente de reformas.
Os peitos nunca estão de acordo...
         A barriga desproporcional...
         A bunda pequena..
Enfim o descontentamento é geral.
É botox, é lipoaspiração, é plástica, é correção aqui, é correção ali...
Até as adolescentes  são vítimas desta mania do corpo escultural.
Será que a natureza não acerta mais? Errou a forma?
É preciso turbinar tudo para  ser feliz?
Coisa esquisita.
Os olhos precisam de lentes... os lábios de enxerto...
Os seios de silicone...  o corpo de anabolizantes...
Os cirurgiões... Bem, os cirurgiões de dinheiro.
Muito dinheiro por conta da vaidade feminina.
Não sou contra a vaidade. Ser bela é próprio da natureza da mulher.
Mas há coisas que me perturbam, assustam.
Tamanha preocupação com o exterior traz à tona as múltiplas facetas do comportamento humano.
Por que não me aceito?  Por que o exagero? Por que tanto  sofrimento?
Sim, porque o preço a pagar para ter o corpo segundo o modelo apregoado pela mídia e  doloroso e dispendioso.
Enquanto isso...
O  mundo perdido, mergulhado nas  trevas,  precisando de idealistas.
Não há. Todas estão preocupadas  com seus corpos...
Todas querendo a juventude eterna...
Não  há tempo para a vida. Não há tempo para o eterno.
As horas correm, o tempo segue inexoravelmente...
Conseguirão segurá-lo?
Coisa mais simples ... Eu e meu corpo. Eu e meu ser...
Pisando no chão sendo o que sou...
Será  que para ser quem sou preciso parecer o que não sou?
Será que para ter amor preciso torturar meu corpo em busca do físico perfeito?
Será que para alcançar satisfação preciso de um molde traçado pela mídia?
Creio ser o momento de rever os verdadeiros valores da vida.
Quem não tem conteúdo capricha na embalagem.
Quem é vazia precisa aparentar plenitude.
Quem vive do exterior  não se conhece, não se valoriza.
É  escravo das vaidades. Vive uma dualidade cruel:  a de não  saber quem é.
A continuar assim...
Os  cirurgiões plásticos e os esteticistas ficarão milionários.

Malu Scottini Heiden
Enviado por Malu Scottini Heiden em 12/05/2006
Código do texto: T155068
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Malu Scottini Heiden
Blumenau - Santa Catarina - Brasil
31 textos (1880 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 07:46)
Malu Scottini Heiden