Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Medo numa Fazenda em Garanhuns


Esta história que vou contar ocorreu numa fazenda próxima à cidade de Garanhuns, no agreste de Pernambuco. O lugar pertence à família de um amigo meu. Eu e vários colegas costumávamos ir para lá na época do Festival de Inverno, um evento cultural que agita a cidade todo ano, no mês de julho.

Num certo ano desse festival, na propriedade estávamos eu, uma namorada que tive, um dos meus irmãos, dois amigos, o dono da casa, a namorada e o avô dele - que mora sozinho na fazenda, há vários anos. E naquele ano não estavam outros familiares dele. Nós passamos três dias naquele local. Na primeira noite, eu estava numa casa que serve de anexo para o casarão da fazenda quando eu e minha namorada ouvimos passos nas proximidades. Depois ouvimos batidas fortes nas janelas e na porta. A minha namorada ficou apavorada e eu me levantei da cama para ver se a porta estava bem trancada. Graças a Deus estava. E esses barulhos se prolongaram até o sol nascer. Na manhã desse dia, o assunto principal do café da manhã foram esses estranhos ruídos que todos na casa ouviram. O menos assustado era o avô do meu amigo, o qual afirmou que já estava acostumado com os passos e as batidas estranhas nas noites frias daquela localidade.

Mas o pior acontecimento foi na última noite. Já estávamos nos quartos e nos preparávamos para dormir e voltar para o Recife no outro dia. Eram mais ou menos onze e meia da noite quando surgiram novamente os barulhos. No anexo da fazenda, onde eu estava com minha namorada, não ocorreu nada. Entretanto, dentro da casa grande, ocorreram fenômenos arrepiantes. O meu irmão dormia num quarto com mais dois amigos e o dono da casa estava com a namorada em outro aposento. E todos ouviram estranhos passos, não só fora da casa, mas também no seu interior!

Os passos foram discretos no começo e se intensificaram com o passar das horas. Deixando todos apavorados. Foi então que meu irmão tomou a decisão de abrir a porta para ver o que era, talvez se confiando no seu 1.87m de altura. Olhou nas duas salas e na cozinha e não havia ninguém. Quando ele retornou ao quarto e acabou de fechar a porta com a chave, o barulho começou de novo, e agora os móveis da sala se moviam e todos ouviram vozes. Mas meu irmão não teve mais coragem de sair e só fez perguntar, de dentro do quarto, em voz alta: “Quem esta aí?” Do corredor, responderam com murmúrios incompreensíveis. E, de repente, alguém tentou abrir o quarto dele e dos amigos, mexendo na maçaneta!

No dia seguinte, novamente no café da manhã, o meu irmão e seus amigos me relataram o ocorrido dentro da casa. Todos foram testemunhas, menos o avô do meu colega, que naquele momento comia indiferente ao assunto. Chegamos à conclusão de que a casa pode ser assombrada pelos ancestrais da família, os quais não gostam de visitantes desconhecidos. Entretanto, nós continuamos a freqüentar a casa todos os anos até 2.004 (quando a fazenda foi vendida pelo avô, que até hoje não disse o motivo disso). Alegávamos que o passeio (ou sacrifício) era válido por causa do conforto da casa e do importante evento cultural que acontece apenas uma vez por ano. Vocês teriam coragem de participar dessa aventura macabra, caros recantistas?




Todos os Direitos Reservados pelo Autor.
 
Fábio Pacheco
Enviado por Fábio Pacheco em 14/05/2006
Reeditado em 30/05/2006
Código do texto: T156261
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Fábio Pacheco
Recife - Pernambuco - Brasil
1095 textos (55927 leituras)
10 áudios (233 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 11:58)
Fábio Pacheco