Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

MAL ENTENDIDOS

(Texto publicado no jornal Brasil Norte (Boa Vista, RR) e no sítio Fontebrasil (Brasília, DF)

Preto, roxinho, pregueado, roscofe, toba, anel-de-couro, furico, fim-de-linha, fiofó, foquito, foquilore, aro-treze, xpto, bocá-do-fedegoso, ... Estes e dezenas de outros nomes são usados para denominar o final da coluna vertebral; o cano-de-escape. Cada região, estado, município ou cidade deste País o conhece pelos mais variados apelidos. No Brasil, apesar de termos um só idioma, impera ser cuidadoso e prestar muita atenção quando em viagens, pois dependendo do lugar uma palavra ou expressão pode ter significado totalmente diferente de outros.
Quer dar-o-brilho!, Vai um lustre?, Vai graxa aí?, Vamos brilhar?, Dar o preto!..., estes são alguns dos termos usados pelos pequenos engraxates por aí  afora oferecendo os seus serviços.
Na rodoviária de Recife, Pernambuco, o movimento era intenso na sexta-feira santa: menino chorando, velhos reclamando, mendigos suplicando, meninas se oferecendo, famílias se despedindo, parentes se encontrando, vendedores anunciando amendoins, cocadas, pastéis, quibes, refrescos, cafés, cigarros, redes, cd´s piratex, fitas cassetes genéricas, perfumes vagabundos, scotch uísque do Paraguai, cachaças de origem duvidosa, enfim, um clima de Babel.
Chegou o ônibus velho e empoeirado proveniente de Bom Jesus da Lapa, cidadezinha perdida no meio do agreste. Aquele calhambeque estacionou e haja a descer gente suja, suada, descabelada, fedida... Muitos olhos aflitos procurando por conhecidos no meio daquela confusão. Coronel Carlos Boaventura foi o último a apear do veículo: paletó de linho branco amarfanhado, chapéu de massa descolorido pelo sol, óculos Ray-ban, corrente de ouro 14 pendendo entre o cós e o bolso direito da calça, trazendo à mão esquerda uma pequena e surrada mala de couro cru. O tipo parecia saído de um livro de Jorge Amado.
O coronel, depois de muitos anos, resolveu passar temporada com os filhos na Capital. Cruzava aquela bagunça com dificuldade, rumo ao ponto de encontro previamente acertado quando, perto dos banheiros, um negrinho, com sorriso simpático e mais branco do que sorriso de anúncio de pasta Gessy, trazendo engatada no ombro esquerdo uma caixa de engraxate, na mão direita uma flanela que um dia foi amarela e na esquerda uma gasta e banguela escova feita de crina de burro, olhou para o Vulcabrás 752 do coronel e quase suplicando falou:
- Vamo dá o preto, coroné?
- Me respeite, moleque! - Respondeu-lhe, espumando de raiva, coronel Boaventura.
- Mas, coroné, é baratinho... - Argumentou o profissional da escova.
- Nem por muito dinheiro, menino. Tu num tem respeito?
- Mas, coroné, é com graxa...
- Olhe, menino, num dou o preto nem com vaselina... Chispa daqui, moleque safado!

e-mail: zepinheiro1@ibest.com.br
Aroldo Pinheiro
Enviado por Aroldo Pinheiro em 09/06/2006
Código do texto: T172095
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Aroldo Pinheiro
Boa Vista - Roraima - Brasil, 62 anos
105 textos (11573 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 22:19)
Aroldo Pinheiro