Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CRIANÇA DIZ CADA UMA... (2)

(Texto publicado no jornal Brasil Norte (Boa Vista, Roraima) e no sítio Fontebrasil (Brasília, DF)


Pedro Bloch, médico pediatra e escritor, mantinha uma coluna na revista Cláudia. Ali ele contava historinhas interessantes e engraçadas sobre crianças. Eu me deliciava com aquela página mensal. Tomando-lhe emprestados, de novo, a idéia e o título – sem autorização -, presto-lhe homenagem.

Júlia, 7 anos,  jogava o jogo da memória na casa das vizinhas quando sua mãe chamou-a para almoçar.
- Peraí, mãe, “tamo terminano”...
Passados alguns minutos, nova intimação:
- Vem, Júlia... A comida vai esfriar!
A pequena levantou-se e, olhando para trás para ver o que se passava no jogo por acabar, deu um esbarrão no portão que se encontrava fechado. Antes que as colegas rissem ou a sacaneassem pelo acidente, ela, bem desconfiada, à guisa de menosprezar as amiguinhas, falou:
- Vocês nem bateram no portã-ã-ão...

**********
 
Durante o almoço a mãe de Guilherme, como todas as mães, queria empurrar “mais uma colherzinha” na boca do guri:
- Quero mais não, mãe, já tô cheio...
- Meu filho, não se deve falar “já tô cheio”; é falta de educação... Diga: estou satisfeito.
Algumas noites depois, Mariana, mãe de guri, deitada na rede da varanda, sob lindo luar, o chamou:
- Guilherme, vem cá! Vem ver como a lua cheia está linda.
O pirralho resolveu corrigi-la:
- Não fala lua cheia, mãe..., fala lua satisfeita...

***********

Yasmine, três anos e meio, ao voltar da escola e ser chamada para almoçar disse que estava sem fome. Vanessa, sua irmã mais velha, entregou:
- Também, ela comeu umas balas na saída do colégio...
Mila, a mãe, muito aborrecida, disse:
- Yasmine, você vai ficar de castigo, pois eu já disse que não se pode comer balas durante a semana, seus dentes vão ficar cheios de bichinhos, e ainda mais você foi pedir para a coleguinha... Que coisa mais feia!!!
Yasmine respondeu, fazendo muchocho, a boquinha tremendo, quase chorando:
- Não mãe, num me bota de castigo, eu nunca peço balas pra ela...; todo dia eu tomo... Hoje eu só pedi porque o pai dela já tinha chegado...

e-mail: zepinheiro1@ibest.com.br
Aroldo Pinheiro
Enviado por Aroldo Pinheiro em 14/06/2006
Código do texto: T175110
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Aroldo Pinheiro
Boa Vista - Roraima - Brasil, 62 anos
105 textos (11576 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 09:55)
Aroldo Pinheiro