Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

CULTURA POPULAR EM PRAÇA PÚBLICA

Estamos em Russas, próspera e simpática cidade localizada no interior do Estado do Ceará, a participar do II Encontro de Mestres do Mundo, um evento que reúne mestres de várias vertentes e fazeres. Para os organizadores (baseados na visão universal do fazer, do realizar, haurida lá na Idade Média européia), mestres são aquelas pessoas que, desprovidos de escolaridade, têm a chamada escola da vida, o saber acumulado pelas vivências. Estamos curtindo, no palco e nas barracas de exposição, o que de melhor se pôde ajuntar para o evento, segundo a Secretaria Estadual da Cultura. O palco-mestre reuniu, ontem, o repente, a cantoria popular local e nordestina; um espetáculo de dança indiana e um conjunto de guitarreiros paraenses, que entusiasmaram o público de cerca de mil pessoas, em praça pública. O som das guitarras propôs o ritmo quente da lambada e suas variantes. Um grupo divertiu-se muito, a ponto de pingar suor de seus rostos alegres. Havia modelos vivos com suas indumentárias vistosas bailando a mais não poder. A minha "pilcha gaúcha", indumentária típica do andarilho primitivo do berro do boi, desse Rio Grande de Deus (botas de cano alto, camisas de mangas longas, lenço vermelho e bombachas) empapou-se de alegrias. Um pouco antes, à tarde, o Povo gritara por três vezes o grito de guerra da torcida pentacampeã. Ronaldo, o fenômeno, consagrava-se perante a história do futebol. Estava absolvido, no coração do povo. Circula, dentre muitas, a literatura de cordel do poeta e cantador repentista Geraldo Amâncio, refrescando a memória do povo sobre o líder religioso Antonio Conselheiro, feito proscrito pelo governo central. Como muitos outros cordelistas já o fizeram, continua a denunciar, depois de mais de um século, o bárbaro massacre da Vila de Canudos, no Estado da Bahia, rememorando o regionalismo no final do século XIX. A luta é contínua para os idealistas do memorialismo, num país que lê muito pouco e que não tem memória viva. Resgatá-la é o permanente desafio. O Brasil de 500 anos respira sua identidade no Nordeste de Euclides da Cunha e seus sertões. Aqui, entre a chuva deste período do ano e os brincantes da farra do boi, o sertão é reinventado todos os dias. Não só no Natal, Folias do Divino e no carnaval. Professores, pesquisadores, poetas, músicos, cantores, alunos do ensino médio e superior revivem Canudos e se defrontam com a globalização. Um caboclinho de 15 anos, montado num jumento, tira um dos fones do "midia player" do ouvido e cochicha ao telefone celular. Depois, atravessa a rua e vai jogar "videogame" num "cyber café".
 
– Do livro A BABA DAS VIVÊNCIAS, 2006 /15.
http://www.recantodasletras.com.br/cronicas/183757
Joaquim Moncks
Enviado por Joaquim Moncks em 28/06/2006
Reeditado em 06/01/2015
Código do texto: T183757
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Joaquim Moncks). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Joaquim Moncks
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 70 anos
2581 textos (709650 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 08:48)
Joaquim Moncks