Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

EXTRA!!! EXTRA!!!

Ontem à noite fui na cozinha jantar um maravilhoso peixe assado. Uma delícia. Meu pai estava lá, e nem me dei conta que ele estava assistindo o programa do Faustão, pois se tivesse percebido, teria ido comer na sala. Este é um típico programa que me irrita, só de ouvir a voz do apresentador. Se eu passo na sala, e ta passando este programa eu aperto o mudo. Aliás, pouca coisa não me irrita na televisão. A tarde passou a fórmula-1-chatice, que nunca mais foi a mesma desde a morte de Senna. Ao saborear o suculento peixe, comecei a assistir as vídeo-cacetadas, um quadro de, no mínimo, uma infelicidade tremenda; as pessoas se machucando, e a platéia rindo. Deplorável. Mas, o que despertou minha total ira e indignação foi uma cena: 2 crianças deslizam numa descida, sobre a neve, através de uma espécie de trenó....há um homem na cena, que percebe que as crinças irão colidir com um carro....o homem dá um salto, se joga no chão, salva as crianças.....e bate a cabeça no para-choque do carro....e a PLATÉIA RI. O cara deveria, no mínimo, ser ovacionado por palmas. Ou ser convidado a comparecer ao programa como um herói. Nada disso. Sacrifique-se em prol de outras pessoas, que tiramos o sarro da sua cara. Salve a vida das crianças e se machuque, seu trouxa. Caro herói, se lhe serve de consolo, se é que você está lendo, aqui vai o meu singelo parabéns. Sei que sua consciência está limpa e sua alma está lavada por ter feito a coisa certa.

Carnificina. Massacre. Morte. Brutalidade. Genocídio. Violência gratuita. Sensacionalismo. É disso que as pessoas gostam. Semana passada, estava em um restaurante. Havia um telão, por causa dos jogos do Brasil na Copa. De repente, todos olham para o telão. Achei que era o gol de alguma seleção. Na verdade, era um acidente envolvendo um caminhão de gás, na Marginal Tietê. E todos olharam, como se estivessem admirando algo. Imediatamente olhei para outro lugar. Não gosto de acidentes. Não gosto de tragédias. Famílias perdem entes queridos. Pessoas se entristecem.

Quando há um acidente em alguma avenida, ou algum afogamento na praia, há sempre alguns imbecis que páram para admirar. Ficam ao redor do corpo estendido, como se apreciassem o que estão vendo. Ninguém faz nada para ajudar; muito pelo contrário, atrapalham. Ao ficarem ao redor da vítima, dificultam sua respiração e atrapalham a chegada dos médicos, salva-vidas, resgate, bombeiros e pessoas encarregadas de salvar vidas, pois ficam amontoadas impedindo que eles alcancem o corpo. Se você vir um acidente, e não souber fazer os primeiros-socorros, ligue para o resgate e vá embora! De acordo com o dito popular, muito ajuda, quem não atrapalha.

Os ataques de Bush ao Iraque foram transmitidos ao vivo pela CNN. Os telespectadores puderam assistir a tela preta com luzes verde piscando (bombas), no sofá, comendo pipoca de microondas e tomando cerveja. Luzes verdes em tela preta = famílias dizimadas, crianças mortas, mulheres ensanguentadas.....

O Datena e tantos outros sensacionalistas estão ricos por causa da violência. Dizem que quem critica este sensacionalismo barato não enxerga a realidade. Caro Datena, eu enxergo muito bem a realidade; sei que pessoas são assassinadas diariamente. Sei que todo tipo de violência, das mais gratuitas, como matar o vizinho por causa do saco de lixo colocado na calçada do lado, ocorrem a todo instante. Mas eu não concordo com isso. Não assisto. A violência não ganhará popularidade através de minha pessoa. Não vou contribuir para os 15 minutos de fama desses criminosos. Eu quebro a corrente da violência. Não a propago. Gosto de beijo na boca.

A violência está banalizada. Parece os filmes de Holywood. Se não for alguém próximo, algum amigo ou familiar, vamos dar risadas. Contar aos amigos com empolgação que presenciamos um acidente. Me desculpem....tenho que finalizar o texto. Minha pipoca está pronta, a cerveja gelada, e vai começar o Linha Direta.....

Ivan Sanches
ilsanches@gmail.com


Legião Urbana - Metrópole

É sangue mesmo, não é mertiolate.
E todos querem ver
E comentar a novidade.

Ó tão emocionante um acidente de verdade.
Estão todos satisfeitos
Com o sucesso do desastre

Vai passar na televisão.

Por gentileza, aguarde um momento.
Sem carteirinha, não tem atendimento
Carteira de trabalho assinada, sim senhor.
Olha o tumulto: façam fila por favor.

Todos com a documentação.

Quem não tem senha, não tem lugar marcado.
Eu sinto muito, mas já passa do horário.
Entendo seu problema mas não posso resolver:
É contra o regulamento, está bem aqui, pode ver.

Ordens são ordens.

Em todo caso já temos sua ficha.
Só falta o recibo comprovando residência.
P'ra limpar todo esse sangue, chamei a faxineira
E agora eu já vou indo senão eu perco a novela

E eu não quero ficar na mão.


Ivan Sanches
Enviado por Ivan Sanches em 28/06/2006
Reeditado em 28/06/2006
Código do texto: T184048

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, criar obras derivadas, desde que seja dado crédito ao autor original e as obras derivadas sejam compartilhadas pela mesma licença. Você não pode fazer uso comercial desta obra.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Ivan Sanches
Santo André - São Paulo - Brasil, 34 anos
141 textos (12236 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 00:49)
Ivan Sanches