Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

PATRIMÔNIO

(Texto publicado no jornal Brasil Norte (Boa Vista, RR) e no sítio Fontebrasil (Brasília, DF)

Salim Said Mustafah saiu da Síria aos 17 anos, no final da década de 50. Sentiu que a criação do Estado de Israel acarretaria sérios problemas naquela região antes dominada somente pelos Árabes. Entrou no Brasil pelo Estado do Amazonas onde simpatizou com a cidade de Manaus e seu povo e, com a ajuda de patrícios, começou a vender calcinhas, meias, sutiãs, cuecas e miudezas em geral acondicionadas em duas velhas maletas de couro cru. O tempo passou e Salim prosperou. Em 2001, cinqüenta anos depois, tinha amplo e imponente prédio na região portuária. O comércio e depósito ocupavam o térreo e Salim morava confortavelmente com a família no segundo andar.
Salim Said teve um único filho, Said Salim Mustafah, que era o centro das atenções e orgulho do velho turco. Aquele menino cresceu com todo o amor e regalias voltados para si. Freqüentou bons colégios, destacou-se no curso de contabilidade da Universidade Federal e fez mestrado em Harvard. O velho Salim empinava o peito e mudava o tom de voz ao falar sobre o rebento. Seus olhos negros brilhavam quando o assunto era Said.
Ao terminar o mestrado Said Salim ganhou de presente um périplo pela Europa com pequena incursão na Síria, para conhecer a terra e familiares. Depois de três meses nesta viagem de cultura e prazer, nosso jovem mestre voltou pra casa. Era hora de começar a trabalhar e produzir. Seu pai queria que ele tomasse a direção dos negócios e, com seus conhecimentos, multiplicasse aquele império iniciado com muitas andanças e suor.
Certo dia Said Salim entrou no bazar e, decidido a ali trabalhar, já tinha elaborado um plano de modernização e modificações embasado nos conhecimentos adquiridos nas salas de aula. Dirigindo-se ao velho pai falou:
- Pai, temos que fazer um balanço nesta loja.
O turco reagiu:
- Mas, Said, meu filha, bra que balança se tuda isso é meu. Teu pai num tem sósia...
- Pai, temos que conhecer o patrimônio, saber o que é capital, imobilizado, investimento... Saber o que vende, ver custos de mercadorias, despesas acessórias, encargos financeiros, encargos sociais, lucros e perdas, tudo isso. Para chegarmos a esses números teremos que fechar o bazar por uns vinte dias. A partir daí saberemos qual é nosso lucro real e poderemos partir para novos planos.
O velho turco coçou a cabeça ressabiado e pensou: "Ai, meu bom Alá! Fechar bazar bor vinta dias...? Como vai ganhar dinheiro? E se fregueses desacostuma combrar em bazar de Salim?" Depois de tomar uma xícara de café, Salim puxou seu filho pela manga da camisa, levou-o até o fundo do depósito, subiu oito degraus de uma escada de madeira, tirou da prateleira duas velhas, surradas e empoeiradas malas de couro, bateu-lhes o pó com um espanador de penas de avestruz, e sob o olhar atento e curioso de Said, começou a colocar grandes quantidades de calcinhas, meias, sutiãs, cuecas e miudezas em geral dentro das mesmas. Depois que estas malas estavam cheias dos produtos citados, o velho afivelou suas alças com dificuldade, colocou-as em pé, estufadas, na frente do filho e apontando primeiro para as malas e logo depois abrindo os braços mostrando as prateleiras abarrotadas de mercadorias falou:
- Meu filha, o capital de seu pai tá todo aqui nesses malas. O resta que tá nesse bazar, nessa depósito, e lá em nossa casa é tuda lucro.

e-mail: zepinheiro1@ibest.com.br
Aroldo Pinheiro
Enviado por Aroldo Pinheiro em 01/07/2006
Código do texto: T185446
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Aroldo Pinheiro
Boa Vista - Roraima - Brasil, 62 anos
105 textos (11568 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 20:42)
Aroldo Pinheiro