Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ARTE NA ALDEIA

                    Uma sessão de cinema na Reserva Indígena do Ligeiro, norte do RS, trouxe momentos de harmonia entre grupos rivais na comunidade. ZH de domingo passado. O filme Tainá II – relatando as aventuras de uma indiazinha na defesa da floresta e dos bichos - reacendeu nos indígenas a consciência de grupo, algum valor ancestral. A arte conseguiu o que os argumentos racionais dos interventores não lograram. A tribo encontrou no cinema um sonho comum.
                     Testemunhei em Nova Bassano-RS, de 26 a 30/6, uma experiência inédita.  A 4a Feira do Livro do Colégio Estadual Pe. Cobalchini. Acontecimento raro no RS, diferentemente de outras feiras, promovidas pelo município ou por universidades, a Feira do Livro do Pe. Cobalchini é organizada e sustentada pelos professores e alunos da rede pública. E não pensem em uma feirinha. É uma superfeira preparada pela leitura da obra dos escritores visitantes e com uma estrutura digna dos maiores eventos do gênero. Para que se tenha uma idéia, preparando a feira deste ano, os alunos compraram antecipadamente - e leram- quase três mil livros. Entre meus dois títulos autografei mais de 400 exemplares o que me deixou estufefato. Paredes decoradas, salas bonitas, banheiros limpos, jardim florido, alunos maduros. A leitura transpôs a imaginação e invadiu a realidade. Segundo a diretora Analice e a coordenadora Lúcia, desapareceram os “alunos-problema”. Mais. A experiência motivou a participação de outras escolas e outros municípios vizinhos a partir deste ano.
                    O poder transfigurante da arte há muito já vem sendo experimentado na psiquiatria. Também em favelas e em comunidades com problemas de violência e marginalização. Contrário da religião e da política, que acirram diferenças e divisões de todas as espécies, a arte consegue, pela sensibilização profunda do espírito, enredar as pessoas em seus sonhos mais profundos, embora nem sempre conhecidos.
                    A arte, que não possui utilidade nenhuma, tem uma mágica que aflora e purifica afetos, sentimentos, sonhos, medos. A arte - cinema ou literatura, pintura ou música, escultura ou dança - ao mexer com o imaginário, pode tornar os homens e mulheres de um grupo cúmplices de seus projetos mais íntimos.
           O jornal Zero Hora relata que, pela primeira vez depois de anos, os indígenas da reserva saíram conversando sem trocar ofensas - ou tiros. Experiência como esta na Reserva Indígena do Ligeiro e em Nova Bassano apontam aos governantes um importante alvo para os investimentos futuros em qualquer cidade, tribo ou aldeia: cultura e arte.
Pablo Morenno
Enviado por Pablo Morenno em 02/07/2006
Reeditado em 03/07/2006
Código do texto: T186379
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Pablo Morenno
Passo Fundo - Rio Grande do Sul - Brasil, 47 anos
42 textos (5113 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 07:29)