Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Rapunzel

Quando mudamos para  o  apartamento  que hoje moramos,  o prédio estava ainda  em construção. Por ser  de  cobertura   nos dava um certo receio, porque as portas de  acesso à Casa das Máquinas e à Caixa d’água  não ficavam trancadas. Seria muito fácil termos “visitas” desagradáveis usando esse caminho.
Por  isso, sempre que saía de casa, trancava todas as janelas e portas da  parte de cima.

Na época, o Antônio fumava e ele só o fazia lá no terraço.
Um dia, ao sair para as  compras, tranquei o castelo às sete chaves,  sem perceber que o Antônio  ali estivesse.
Bati perna por uma hora e meia, mais ou menos, e quando voltei, por “sorte minha”,  tudo já estava calmo.

O Antônio, ao perceber que estava trancado  e com compromisso de hora marcada, foi para a grade do terraço para pedir socorro. E ficou vigiando até que viu a Luzia que morava no segundo andar. Aí ele gritou por ela, acenando com a mão. Ela correspondeu, achando que era um cumprimento. Mas como ele continuou a gritar, dizendo que estava preso, Luzia começou a matutar como o tiraria dali, no décimo segundo andar! Tranças ele não tinha! A sorte foi que um dos nossos filhos  apareceu  e tirou o Rapunzel de sua torre!


fernanda araujo
Enviado por fernanda araujo em 11/07/2006
Reeditado em 11/07/2006
Código do texto: T191731
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
fernanda araujo
Divinópolis - Minas Gerais - Brasil
1058 textos (204252 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 06:18)
fernanda araujo