Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Reflexo no espelho

Era mais real do que a própria sensação de estar mergulhada em sonhos. Sentia o toque na pele , a presença na alma. Depois de algum tempo sentada em um sofazinho no canto do quarto acabara por começar a delirar. Era uma sensação que parecia fazer as vistas turvas , continuou a olhar-se no espelho em frente , durante horas. Acontece, que não conseguia se ver. Aquela que estava refletida , não era se não, uma imagem construída , pela absorção de muitos. Aqueles traços já não eram só seus, parecia-se com o silêncio , com a nostalgia , fugira para sempre da face do amor. Sentia relances de percepções, ora reais , ora utópicas , e volta e meia se perguntava se tinha enlouquecido. Foi ficando ali , que perdera a noção do tempo. Já não comia , já não era, já não vivia. E mesmo que muitos passassem por aquele lugar , mesmo estando correndo em sua estressante vida. Mesmo indo e voltando do trabalho, não sentia mais , e era sempre aquela que ficou estagnada em frente ao espelho. A mesma imagem revivida , era a única solução para sua existência , porque não tinha explicações , de estar por ali a sentir o vento.
Não queria sair , se não fosse ele , quem a buscasse. Se não fossse ele quem a abraçasse, se não fosse ele quem dissesse que as coisas voltariam a ser como antes. De repente sentiu , que sua face era a face dele. Que de tanto querer aquele sentimento , já não o sentia. Porque a única explicação pro destino ter tratado de separar-lhes , só seria revelada , se o tivesse de volta. Foi tomada por um amor , que fugia às regras , que violava a felicidade.
Depois de olhar-se tanto ao mesmo espelho , foi apenas se vendo , foi silenciando cada vez mais. Acontece que agora já não o queria com tanta intensidade , o sentia , era ele o homem de sua vida , mas não mais o possuía. Foi ficando cada vez mais reclusa. Às vezes cochilava naquele sofá , e acordava aos sobressaltos , ouvindo passos , e acreditando que era ele que batia à sua porta.
Os dias foram passando , e já se considerava imortal, porque já não sorria , apenas sobrevivia. Foi ficando cada vez mais calada , e tornou-se alguém que nunca tinha se imaginado ser. Tinha medo.
Sobrevividos meio século de existência , assim como se fosse a força contrária do destino, o viu passar na rua. O seu coração voltou a bater, o rosto já marcado pelo tempo  se corou de felicidade. Demorou ainda algumas semanas, para que criasse coragem de ir ao encontro de seu grande amor.
Entrou em uma lojinha pequena de artigos para concerto, e os olhos se encontraram , depois de muito tempo. Nada diziam. Apenas se olhavam. E como se fosse aquele mesmo espelho de tanto tempo , não paravam de se olhar. Era o mesmo reflexo de outrora , era o reflexo de sua imagem.
Bem devagar , foi entrando ao seu encontro. Sentia o corpo passar por uma anestesia , o peito pulsava , já não sentia os membros.
Ficaram face a face, os rostos envelhecidos pelo ventos da mesma vida , que os separaram. E foi com uma voz , quase sumindo , que ele disse: _ Eu te amo. Te esperei sempre , e continuaria esperando. Porque você foi e é, o meu reflexo no espelho.
Lady Sophia
Enviado por Lady Sophia em 11/07/2006
Reeditado em 13/09/2006
Código do texto: T192003
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Lady Sophia
João Monlevade - Minas Gerais - Brasil, 25 anos
147 textos (6551 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 22:40)
Lady Sophia