CapaCadastroTextosÁudiosAutoresMuralEscrivaninhaAjuda



Texto

O "homem cordial" brasileiro

O "HOMEM CORDIAL" BRASILEIRO

(crônica publicada no jornal "Diário Catarinense" de 18.11.2009)


O conceito do brasileiro como homem cordial foi criado pelo historiador Sérgio Buarque de Hollanda (pai do Chico) e lançado em sua obra "Raízes do Brasil", livro fundamental para entendermos quem de fato somos.

Lógico, eu sou um sujeito super-cordial pois, quando furo uma fila ou "fecho" um carro porque estou com muita pressa, sempre o faço com um sorriso nos lábios - desde que o outro não me chame a atenção, insinuando que agi de forma condenável: neste caso, não é de admirar que eu saia de mim loucamente.

Sou um cara cordial: não aturo críticas a policiais e agentes prisionais só por darem uns tapas em ladrões e assassinos que, com seus crimes horrorosos, sem piedade alguma destruíram a vida de gente honesta e decente. Presos, o mínimo que merecem é uma sessãozinha de tortura dia sim, noite também.

Essa minha irreprimível cordialidade chamou de "ordem constitucional" ao regime de exceção imposto pelo golpe de 1964 que derrubou um governo legítimo. Assim, justifico-me para chamar de "terroristas" a todos que se opuseram à ditadura e lutaram contra ela; assim, aceitei sem vergonha as torturas, os assassinatos e a corrupção oficiais, ignorando os abusos, a censura generalizada, o sepultamento das liberdades todas: se eu não fizer nada que desagrade aos usurpadores do poder, posso fazer o quiser, não é mesmo?

Minha cordialidade preza os princípios sagrados (e são tantos) do nosso modelo consolidado de vida social. Se me ofende ver uma garota de vestido vermelho curto, eu parto atrás dela pela universidade, xingando-a e filmando-a sob a roupa, pronto para linchá-la com centenas de homens e mulheres tão cordiais quanto eu. O que estraga esse júbilo cívico é o surgimento de um professor babaca para homiziar a sirigaita de nome Geizy (ou seria a Geni do Chico?) até vir a polícia, que teria mais o que fazer prendendo bandidos do que escoltar uma vagabunda porta afora: é por isso que continuamos sendo o povinho de quinta num país de sétima categoria.

Conforme dr. Sérgio, "a inimizade bem pode ser tão cordial como a amizade, nisto que uma e outra nascem do coração, procedem, assim, da esfera do íntimo, do familiar, do privado". E, por fim, decifra o enigma: na sociedade do homem cordial, cada indivíduo "afirma-se ante os seus semelhantes indiferente à lei geral, onde esta lei contrarie suas afinidades emotivas". Aí está.



(Amilcar Neves é escritor de ficção e autor, entre outros, do livro "Da Importância de Criar Mancuspias", crônicas, Editora Garapuvu, Florianópolis)
Amilcar Neves
Enviado por Amilcar Neves em 18/11/2009
Reeditado em 30/01/2013
Código do texto: T1930805
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Citar autoria de Amilcar Neves, data e veículo da publicação original (se for o caso) e sítio www.paginasdodesterro.com e sítio www.paginasdodesterro.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.

Comentários

Sobre o autor
Amilcar Neves
Florianópolis - Santa Catarina - Brasil, 67 anos
356 textos (34346 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/09/14 03:44)