Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

As Chaves


Acordei deprimido com o volume do rádio relógio no último já eram sete horas da manhã estava muito frio e chovia lá fora. Levantei-me para ir trabalhar, às vezes não dava tempo nem para um banho, saí as oito em ponto, entro as nove e saio às seis. As sete horas vou para Universidade, sou estudante de Jornalismo que merda mais fazer o quê nem tudo é perfeito, todos os dias vou me enganar um pouco naquela fábrica de diplomas.
Minha vida é muito triste e resume apenas nisso trabalhar e estudar, estudar e trabalhar essa rotina me maltrata e faz de mim um coitado perdedor e o pior é que eu sei. Isso é o eterno retorno, o feitiço do tempo, é mais ou menos como se fosse um único e longo dia, que não passa nunca, sem novidades, sem nada, apenas o vazio.
Às vezes fico no meu quarto trancado sozinho, tentando fugir um pouco desse mundo, passo horas lendo John Fante, sem me preocupar com nada e com ninguém, penso em ir para outro lugar, sei lá outro país ou ir morar em uma fazenda, plantar e colher, acordar bem cedo, ver o sol se pôr, ver as estrelas e a noite irromper o dia, ou virar pescador, ir morar na praia, olhar para o mar e ter a sensação de estar vivo, mais na verdade sei que isso não é o problema e sim porque estou preso dentro de mim mesmo e não tenho as chaves para a saída. Não consigo entender ou aceitar que a minha única finalidade de estar presente é a de ganhar dinheiro, comprar um carro, uma casa e constituir uma família para pagar as contas no final do mês, acho muito triste que seja só isso, acho que o homem tem o direito de ser feliz de ao menos se sentir em paz, mas não o que eu vejo e sinto é sempre um conflito entre os humanos, é um querendo chamar a atenção, outro fudendo com tudo e não se importando com nada, o homem sendo o lobo do homem, devorando a sua espécie e ninguém percebe nada ou tenta fazer algo a verdade é que não passamos de covardes e acomodados, preferimos ser enganados e ouvir o “canto da sereia” o discurso sutil do que ao menos pensar e se questionar porque é que temos que viver assim. Porque, até quando suportar? Essa droga de vida que levamos todos os dias, está clara que não esta nada bem você ira passar a vida inteira fingindo, que droga, se for para continuar dessa maneira, é melhor que tudo acabe de uma vez, sem dor, sem sofrimento, só assim existiria uma razão talvez um novo começo.



Alex B. Medeiros
bandini
Enviado por bandini em 20/07/2006
Código do texto: T197927
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
bandini
São Paulo - São Paulo - Brasil, 34 anos
23 textos (1552 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 00:33)
bandini