Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

HOJE MORREU UM VALENTE

VAMOS PARTILHAR

Não estou dando conta de acompanhar e escrever sobre os acontecimentos que me influenciam a derredor.  Seria o tempo indo muito rápido ou eu é que estou muito lerda, não sei. Em suma, faço bonecos e mais bonecos para terminar depois. Mas hoje vou até o fim com este falacioso desapego, principalmente se meu “mate” literário Malta vier em meu socorro.

Morte é, no mundo que me rodeia, coisa proibida e até meio ilícita de se falar a respeito. Mas hoje morreu um Valente e pela primeira vez toquei em um defunto enquanto pedia aos Deuses que o recebessem onde quer que ele vá. Não  experimentei qualquer sentimento de pesar. Na verdade, sentia uma sensação de cumprimento do dever; não dever meu, já que o vi uns pares de vezes e a única ligação minha com ele esteve nas cartas de baralho que costumo jogar as quintas-feiras com a sua filha e outras órfãs. Pensava no dever dos que por aqui ficaram preocupados com todo aquele aparato para que os vivos não julguem seus status, se baseando no velório daquele patriarca. O “não dar o que falar” me pareceu mais enraizado do que os últimos anos daquele senhor sozinho e sem amigos que passava seus dias entre a cama e as fraldas.

Detesto velórios. O primeiro e último que fui foi o de minha mãe há 15 anos. É estranho que, comparando o número de convites para festas, casamentos e outras farras, com os para velórios, estes sejam de longe muito maiores.  Logo que alguém morre há sempre alguém correndo para dar a notícia. Há sempre um desocupado mórbido correndo para ser o primeiro a dar a notícia. Fulano morreu!  A conversa começa com assuntos banais, com um quê de interpretação na voz, para ao final dizer: fulano morreu, o velório é em tal lugar a partir das..., e o enterro será às....  Por que não nos chamam com a mesma demência e mendicância para as farras e festas? Ainda não entendi.

Odeio velórios. Minha falta de experiência hoje me conduziu a ficar ali fazendo análises sobre tudo aquilo que me parecia, na verdade, tosco. Pensava no resultado/conseqüência espiritual de se ser cremado ou enterrado. Pensava nas diferentes culturas e a falta de espaço nos nossos dias. Só pensava, mesmo que rapidamente. Aquele caro caixão será, provavelmente, retirado antes da cremação e revendido. Pensava novamente em falácias. Aquele que um dia foi vivo e escreveu livros e poemas, que se quer me lembro, e esta não seria a melhor hora para descobrir, estava ali aos seus 97 anos com uma única corbeille estampando em dourado uma dedicatória de seus dois netos e única filha natural. Inevitávelmente pensei no seu próximo título: VALENTE, Décio, “Cinzas” - narrado de sua nova camarinha.

$oaroir Maria de Campos
21/07/2006





 




 



Soaroir
Enviado por Soaroir em 21/07/2006
Reeditado em 23/07/2006
Código do texto: T198988
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (©Soaroir Maria de Campos em "link para obra original" - "data de publicação no recanto"). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Soaroir
São Paulo - São Paulo - Brasil
943 textos (54731 leituras)
5 áudios (986 audições)
16 e-livros (5136 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 18:16)
Soaroir