Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ANTES DE ACONTECER

Ela rebuscava seu anseio dentre mandíbulas escaldantes, ele apenas prezava cada momento se propiciando em seu seio. Eram chamas que forjavam a mais pura e extensa proeza de um casal, orgasmos a flor de deliciosas carícias despontando a luxúria animal. Apenas os toques lentos e suaves de sinos despertaram a insanidade.
Eram nove horas de um novo dia, era dia, era manhã e agonia. Não havia mais tempo para desespero, a traição estava por um dedo,vozes que caluniavam e subiam a grande escada ecoavam ao longe, e o pérfido pássaro cantava sua melodia de desespero. O audacioso e inesperado marido subia com furor a escada, cada passo mostrava o momento do véu da verdade ser rasgado.
Silêncio e espera, medo e calafrios, tudo se tornara suspeito, até o andar das formigas no canto da parede era duvidoso. Como reagir em tamanha situação, eram os pensamentos dela saindo de cena. E, como enfrentar a criatura que insistia em derrubar a frágil porta.
De repente, não mais que de repente escutou-se ao lado uma voz angelical. Por entre os gretes da porta escancarada via-se seu marido aos “ti-ti-tis” com outra mulher.
Ela era como o fogo e como a rosa mais vermelha já colhida, de beleza e de astúcia tão belas que sua voz foi um chamado dos deuses. Ele era seu marido e estava também a traindo, o que pensar se pensamentos não curariam mais a alma surpresa e ferida.
A amargura foi como feitiço que retorna ao feiticeiro, a gaveta se abriu, ao lado de seu não mais amado amante o fogo se tornou ódio, a paixão se tornou lástima e a compreensão se tornou decisão.
Apenas se ouviu um estouro como de um tiro! Um estrondo! Era pólvora e um gatilho disparado. Não houve nem mesmo tempo de seu companheiro tomar alguma medida.
Ela caiu sobre o chão frio de inverno, toda pálida e sem vida. O branco de seu vestido se confundiu com a imensidão do vermelho, e bem à sua porta, o olhar desesperado do marido vendo uma cena dramática e sem explicações, já que ele apenas se tornava dono de algo tão esperado pelos dois um dia. Dono daquele pequeno e aconchegante hotel de beira de estrada.

Autor: Danilo Padovan
Daykon
Enviado por Daykon em 24/07/2006
Código do texto: T200633
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Daykon
Santa Fé - Paraná - Brasil, 33 anos
46 textos (1217 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 06:19)