Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Necessita-se uma bula!

Para Rosa Pena

 
 
        Acabava de ler um artigo, assaz interessante, de Ana Cristina Martins - O Texto: dois excercícios de análise - quando irrompe Rosinha, e pergunta: - Alguém me pode dizer o que é escrompotopiáceo? O meu caro leitor assustou-se? Agora, tente imaginar o meu susto ao ouvir escrompotopiáceo, assim, de rompante! Pedi-lhe que se sentasse, que não se esquecesse de respirar, que oxigenasse os pulmões e que me soletrasse a palavra em questão. E s c r o m... Ai, Cris, num enche! Peraí, tenho aqui anotado. E passou-me um pedaço de papel para a mão, onde se esticava langorosamente, no final de um texto, a tal palavra. Li o texto, e tentei dar-lhe um significado coerente, visto que não conheço tal palavrão. Não pense o leitor que é uma palavra obscena. Não! Apelidei-o de palavrão, devido ao elevado número de letras. Dezasseis místicas letras! Logo, não é uma palavra, nem uma palavrinha. É um palavrão. E que palavrão! Notem-lhe a magnitude, a massa corpórea, a dimensionalidade. Concordemos. Impõe respeito, sim senhor.
        Tentei, então, pôr em prática o que tinha acabado de ler: analisar o texto e o contexto. Dizia A. C. Martins que o objecto de estudo afigura-se hoje mediante matrizes bem mais complexos: à construção textual preside uma solidariedade orgânica que determina a organização de todos os segmentos em função de uma unidade global, sendo que esta, por sua vez, vai repercutir-se no desenho local das estruturas frásicas e transfrásicas. É ponto assente, então, que a activação local das palavras surge motivada pelo desenho global da unidade textual. Sumariamente: o texto passa a assumir-se enquanto acto de conexidade horizontal e vertical.
        Desculpem-me os leitores, mas por falta de autorização do autor, não vos posso revelar o texto. Tão-só a palavra em questão. Voltemos ao que nos interessa, ao objecto do nosso estudo. Voltei a olhar para o escrompotopiáceo, e tentei decifrar a sua solidariedade orgânica. Seria um orgão do corpo humano?
- É um peru! É um peru, grita Rosinha.
- Um peru não é um orgão humano, Rosinha! É um gallipavo meleagris.
- Ó Cris, lê bem o texto. Olha aí. Viu?
        Admito. Rosa, tinha razão. No contexto, o tal palavrão poderia ser um orgão humano. Um orgão masculino, para vos orientar a imaginação... Agora, tentemos pô-lo na conexidade horizontal e vertical, que irá repercutir-se no desenho local. Na horizontal, não houve qualquer tipo de problema. Mas quando tentamos pô-lo na vertical... aí é que a porca torceu o rabo! Não foi tarefa fácil, digo-vos.
        Continuamos o nosso estudo com base no texto de Martins. Uma primeira dimensão, escreve Ana Cristina Martins, diz respeito à articulação de determinado conjunto de frases que realizam um específico grupo  de sub-intenções...
        Quais seriam as sub-intenções do nosso escrompotopiáceo? Continuemos. Porém, o conteúdo descritivo de qualquer discurso é animado por um objectivo / orientação de pertinência. E a pertinência de uma enunciação só pode ser calculada a partir da situação discursiva. Hum!... Ao contrário do que as teorias descritivas tentaram preconizar, o certo é que os encadeamentos segmentais não são ponderados nem activados em função da sua validade referencial, mas quanto à sua eficácia, radicando esta eficácia num "eu"-"tu", "aqui" e "agora" da enunciação.
        Havia, sim, um "eu"-"tu", "aqui" e "agora" na enunciação. Lá isso, havia.
        Lembrei-me, então, de Jakobson e das funções da linguagem: Quando o foco comunicativo é o "destinatário", será utilizada uma linguagem "apelativa", que chame a atenção sobre este, e dele faça "propaganda". C'est le moins qu'on puisse dire, pensei.
        A orientação para o "destinatário" - no caso específico do texto, "Vem, meu amor" é o "destinatário" - , função conativa (!!!), encontra sua expressão gramatical mais pura no vocativo e no imperativo. As sentenças imperativas diferem fundamentalmente das sentenças declarativas. Os sistemas de "marketing" se valem dessa função, ainda que, como veremos adiante, empreguem como apoio outras funções, particularmente a "função poética", centrada sobre a própria mensagem(1).
        Torna-se imperativo, para acabar esta crónica, descobrir o real significado de escrompotopiáceo!
- Cris, só você para me fazer rir.
- Porquê?
- Estou aqui a imaginar apelidar o dito cujo de... escrompotopiáceo. Para os intímos, piáceo!!!!!!
- Pois eu não acho uma boa ideia, Rosinha. Seria humilhante, para um homem, se você lhe dissesse: Ai, que piáceo tão engracadinho.
- É. Piáceo parece ser coisa microscópica. Já escrompotopiáceo...
- Pois...
 
        A vida seria tão mais fácil se as palavras viessem acompanhadas de uma bula. Mas... e que uso fariamos da imaginação? E que faria, eu, desta crónica?
 
Cristina Pires
 
 
 
(1) Trecho do artigo de Lucimar Luciano de Oliveira "Funções da Linguagem".
Para ler o texto de Ana Cristina Martins, acesse http://www.ipv.pt/millenium/ect8_acm.htm
Cristina Pires
Enviado por Cristina Pires em 30/05/2005
Reeditado em 30/05/2005
Código do texto: T20713

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Cristina Pires
França, 51 anos
87 textos (6702 leituras)
1 áudios (37 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 02:37)
Cristina Pires