Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A Seita do Fim

Para Cissa de Oliveira
 
 
        Há coisas na vida, que pouco me preocupam. Se o meteorologista anunciou chuva, e o sol radiou, por exemplo. Para quê atardar-se em detalhes? O homem errou, e pronto. Afinal, o erro é da natureza... humana.
        Mas há outras coisas, talvez insignificantes para uns, que me tiram o sono. A noite de quarta, passei-a em branco, andando de um lado para outro, transformando a minha sala numa fidedigna Sala dos Passos Perdidos, a ponto de cavar um fosso entre o princípio e o fim. E era aí que residia a insónica questão: no fosso entre o princípio e o fim. Se ao menos esse peso me fosse para as pálpebras... Mas não! Pesava-me nas entrevistas, martelava-me as origens, tolhia-me as bases. Era uma marginal, era o que era! Sem regra e sem lei.
        Nas idas, ouvia a Cissa dizer-me que achava interessante o facto de alguém começar pelo final; nas vindas que lhe parecia prático mas bem difícil, porque o final  é o tchan podendo num único verso, inclusive, negar tudo o que se acabou de ler!
        Negar, negar, negar...
        E o caso piorou! Veio o Machado, e diz-me, como quem não quer a coisa, com as suas várias histórias: "limitava-se a negar tudo. E digo mal, porque negar é ainda afirmar...". Então, eu nego mas afirmo, finalizo para principiar, alvo o princípio. Em resumo, asserto-me!
        Entre as minhas idas e vindas, já com o fosso pelos tornozelos e os ombros pelos joelhos, descaio diante de Jorge Luis e afundo as minhas andanças até à seita do Fénix, ao segredo dos seguidores do Fénix, aos sectários...
        O rito constitui o Segredo, diz-me ele. Este transmite-se de geração em geração, mas o uso não quer que as mães o ensinem aos filhos, nem tão-pouco os sacerdotes; a iniciação no mistério é tarefa dos individuos mais reles. Um escravo, um leproso, um mendigo, passam por mistagogos.
        Escrava morfética da esmola da noite; mestra dos mistérios, dos segredos...
O facto em si, é trivial, Não existem templos, nem orações, nem celebrações deste meu ritual. Mas, um quarto escuro, uma cave, ou umas ruínas, são-me, são-lhe, lugares propícios. Também não existem livros sagrados, onde figure, entre linhas obscuras, um significado decente. Também não há palavras que o definam, apesar de todas as palavras o aludirem. Tudo fica na clandestinidade leprosa. E o princípio pelo fim, ficará no fosso dos meus conceitos. Em mim, por exemplo, isso já é instintivo...
 
 
Cristina Pires
Cristina Pires
Enviado por Cristina Pires em 30/05/2005
Reeditado em 30/05/2005
Código do texto: T20714

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Cristina Pires
França, 51 anos
87 textos (6699 leituras)
1 áudios (37 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 00:54)
Cristina Pires