Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

OS BICHOS DE NOSSA VIDA

Estamos encurralados. E quando se está encurralado dá vontade de morder alguém como a um cão feroz, não é? Se a coisa apertar então podemos até dar coices como a um cavalo contrariado. Se tudo isso não resolver na hora do aperto saímos em desabalada carreira como um frango assustado. Tudo isso porque existem uns bandos de burros e, em alguns casos de jumentos,  nos aporrinhando o tempo todo. São cobras criadas sempre em confronto com as raposas velhas que nos acuam como ratos. Na hora que você vira um leão, eles lançam as garras afiadas em cima de você, te fazem sofrer como um camelo e te abandonam tal qual um animal sem dono à própria sorte. Mesmo assim somos felizes e livres como os pássaros. Livres para voar e sorrir, sem exageros, para não parecer veado que saltita pelos campos verdes.

Eu queria ser uma mosca para poder ver, sem ser visto, o que ocorre nos lugares mais reservados. Tem muito porco envolvido com falcatruas que as vezes se defrontam com verdadeiros gorilas e, depois de apanharem como éguas velhas, ficam a lastimar como uma matraca. Olhos de águia vigiam os corruptos que fazem macaquices com nosso dinheiro. Usam nossos proventos, comem como baleias e engordam como elefantes e se comportam como bicho-preguiça. Esses tais exibem suas esposas na televisão que se enfeitam como pavão, mas são verdadeiras peruas. Claro que há exceções. Com o olhar aguçado de um gavião, você poderá encontrá-las. Muitos falam e agem com propriedade em nome do polvo. Adoram frutos do mar como camarão, mariscos e lulas. Aliás peixe é animal ou é fruto? Como defender um peixe de maus tratos? Talvez seja por isso que só se prende peixe pequeno. Peixe grande, quando cai na rede, é solto...depois prendem de novo...depois soltam...depois prendem...depois soltam...(Não vamos ficar repetindo isso como papagaios) Mas, com fé tudo vai mudar. Tem gente fazendo trabalho de formiguinha para mudar essa situação. Caminham a passos de tartaruga, mas caminham e isso é que importa. É preciso ter calma! Lembram da fábula da lebre e a tartaruga? Quem ganhou? (Você ainda acredita am contos de fadas ou de fábulas...humm!!!)

E, apesar de tudo,  não adianta ficar zangado. Você já sabe o destino dos zangões! Alguns minutos de prazer e, mais uma abelha viúva. As rainhas cortam a cabeça do pobre apaixonado. Isso se chama perder a cabeça por uma grande paixão, ou por uma noite de amor. Então o que fazer? Estamos mais perdidos que urubu sobrevoando o lixão. São tantas carniças e moscas que pode contaminar até a pomba da paz. É como dizem, em águas que tem piranha, jacaré nada de costas. Ou ainda, macaco velho não põe a mão na cumbuca.

Você já notou como os bichos estão presentes em nosso dia a dia? A cultura oriental, especialmente, está repleta de exemplos. Seja no tai-chi-chuan ou nas artes marciais e, até mesmo, no yoga indiano aprendemos muito com os animais. Temos a posição do gato, da cobra, do jacaré, da águia e vai por aí afora! Os animais nos ensinaram e nos ensinam tanto! Porque resistir a esse aprendizado? Una-se, como voluntário,  a uma Instituição de Proteção Animal – e dê o pulo do gato!
Doni Romon
Enviado por Doni Romon em 22/02/2010
Reeditado em 06/07/2010
Código do texto: T2101573
Classificação de conteúdo: seguro

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Doni Romon
Campinas - São Paulo - Brasil, 61 anos
21 textos (1369 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 24/11/17 05:52)
Doni Romon