Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Nossa fé de cada dia!

Quem caminha pelas ruas de nossa cidade, pode observar as mais diversas paisagens urbanas. Avenidas, praças arborizadas, calçadas, que apresentam peculiaridades pitorescas, como a que vemos na rua do correio...Enfim, uma gama de cenários interessantes, inda que se encontrem, muitas vezes, compostos de elementos que destoam da natureza e maculam a singular beleza que se nos oferece aos olhos, pois a limpeza das ruas anda deixando a desejar...
Em minhas caminhadas matutinas chamou-me a atenção um personagem constante, uma figura que diariamente cruzava meu caminho. Deve andar pela casa dos cinqüenta, porte pequeno, possui a desenvoltura e agilidade característica de quem sabe bem para onde está indo.
Durante meses observei-a perambulando pelas ruas; óculos, boné e roupas apropriadas. Mantinha uma cadência constante, um ritmo quase monótono no caminhar e a cabeça sempre ereta, a postura adequadamente alinhada e um quê de serenidade ao movimentar-se.
Chamou-me a atenção o fato de que na maioria do tempo, andava de olhos fechados. Diversas vezes, ao andar lado a lado, observei este detalhe, e me intrigava sobremaneira este comportamento atípico.
Era uma pessoa atenta, pois jamais deixou de cumprimentar-me quando nossos passos nos colocavam emparelhadas, por alguns minutos, o que ainda mais me intrigava.
Um dia, não resistindo, ao aproximar-me dela, cumprimentei-a e, aproveitando o ensejo, puxei conversa com a intenção clara de indagar-lhe sobre seu comportamento. Em dado momento o fiz, e deixei que a curiosidade me vencesse, perguntando-lhe abertamente, porque, na maioria do tempo, caminhava de olhos fechados.
Não me surpreendi com sua simpatia e espontaneidade ao responder-me, pois tudo nela transmitia autenticidade e franqueza. Assim, com naturalidade disse-me que enquanto caminhava, ia orando e conversando com Deus, e como já conhecia de sobejo o caminho, podia dar-se ao luxo de assim proceder...
Ouvi atenta sua explicação singela e despretensiosa, e me admirei com sua lógica, que de certa forma esbarrava com a minha.Um pouco mais prática e realista...
Continuei observando-a dia após dia, encantando-me com sua inocente presença, que parecia enfeitar o caminho por onde andávamos, e a cada manhã, lembrava-me enternecida da razão de seus olhos se fecharem...
Semana passada, andava eu como sempre, quando avistei a razão de minha admiração matutina, que caminhava a minha frente. De repente, percebi um movimento estranho e em questão de segundos atinei espantada com o que aconteceu. Meu personagem predileto havia colidido de forma abrupta com um poste!...
Apressei-me ao seu encontro para ajudar e quando estava a poucos passos de meu destino, parei ao observar a cena que se desenrolava a minha frente e ouvi surpresa minha amiga.
Enquanto pegava o boné, que havia caído, e recolhia os pedaços dos óculos estraçalhados, ouvi quando ela dizia em voz indignada:
Puxa vida Senhor! Estava a falar contigo, o que custava avisar-me sobre o poste!
Vejam vocês!





Priscila de Loureiro Coelho
Consultora de Desenvolvimento de Pessoas
Priscila de Loureiro Coelho
Enviado por Priscila de Loureiro Coelho em 01/06/2005
Código do texto: T21325
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Priscila de Loureiro Coelho
Jacareí - São Paulo - Brasil, 65 anos
1286 textos (215245 leituras)
1 e-livros (148 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 20:39)
Priscila de Loureiro Coelho