Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

                            Gratuito 


                                    Rosa Pena



Ontem resolvi sair, ir a um shopping. Vem dia do papai aí, tremendo movimento. Preciso dele, antítese do silêncio que andei vivendo. Minha filha já comprou o presente do “paizão” dela. Talvez eu não comprasse nada lá, ando dura de grana; um chopinho na praça de alimentação, um relax para meus dias de tensão. Um bordejo sem segundas intenções, andar apenas de bobeira, parar de pensar em asneiras.

Ao passar pelas galerias, observo um menino com pinta de peixe fora d'água para o local ser convidado a retirar-se de onde estava, cara colada numa vitrine, pelo dono da loja.

— Circulando você aí, com estas mãos sujas e deixando marcas de respiração no meu vidro.

Reparo no ar de impotência do quase adolescente.

Faço um rápido apanhado de meus tempos de professora primária. Lembro-me dos cartões que fazia em sala de aula, para a criançada colocar nos presente dos papais. Vivi algumas situações complicadas, mas sempre contornadas.

Dia dos Pais e das Mães sempre tiveram cheiro de festa.

Alguns alunos sem pais, alguns que sequer conheceram os seus. Muitos que não poderiam comprar presentes, pois os pais estavam desempregados, se contentavam apenas com aquele cartão.

Até os pais ausentes, os pais indiferentes, faziam-se merecedores nesta ocasião. Todos queriam fazer os seus. No fundo, sempre havia a esperança de se dar a alguém que representasse o sonhado pai.

Há duas décadas passadas, todos saíam com seus cartões e um baita sorriso no rosto.

Penso neste momento em meu pai que já se foi. Baixa a saudade e uma sensação de orfandade minha. Para piorar, penso na orfandade do Brasil, quase todos nós, órfãos de nossos anseios.

Percebo que cada dia mais aumenta o número de brasileiros achatando o nariz em vitrines de lojas. Achatando as esperanças.

Volto a pensar nos cartões. Uma cartolina equivale a quatro pães.

Corro até o menino e grito:

— Beija seu pai, beija muito!

Aproveita que o beijo ainda é de graça.



 
Rosa Pena
Enviado por Rosa Pena em 13/08/2006
Reeditado em 14/08/2016
Código do texto: T215326
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Rosa Pena
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
960 textos (1416738 leituras)
48 áudios (24765 audições)
33 e-livros (29000 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 12:59)
Rosa Pena

Site do Escritor