Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Meus heróis morreram de overdose

Rosa Pena




Antes de viajar, agora em janeiro, fui visitar minha madrinha. Há muito não passava uma tarde com ela. Intimamente inventava falta de tempo, mas achava que iria me trazer saudades de mamãe. São irmãs e extremamente parecidas. Tia Adélia está com setenta e oito anos e tem um vigor incontestável. A viuvez lhe fez muitíssimo bem.
Aliás, andei reparando nos últimos meses, que, para muitas mulheres, a viuvez rejuvenesce. Até porque é a saída para pôr fim a casamentos sufocantes, que antigamente tinham que ser coroados com bodas de ouro (ouro chapeado, que fosse).

Dou palestras em cursos para a terceira idade e percebo que as senhoras estão superantenadas com a atualidade. Discutem com embasamento a guerra do araque (leia-se Iraque) e falam com tranqüilidade e jovialidade sobre qualquer assunto.
Nelas, percebo desejos confessos, paixões inconfessáveis, curiosidades sobre orgasmos, tesões latentes. Quando lemos poesias, costumam pedir as mais sensuais com muita vontade. Dizem que ela expressa o que nunca teriam coragem de falar, que dirá escrever.

Bem, titia veio com uma reclamação:
— Rosa, você leu a reportagem onde afirmam que o Cary Grant é gay?
Respondi afirmativamente, de uma forma displicente. Ela ficou p da vida e começou a discursar:
— Preferia não saber. Tenho horror de pensar que sonhei anos em ser o recheio daquele “pão”, e ele era bicha.
Falei para ela que normalmente estas notícias são duvidosas e costumam ser matéria da imprensa marrom.
— Saiu na Revista Veja, não foi na Amiga ou Inimiga, porque todas na maioria são impiedosas; e, mais, toda imprensa se não é marrom é no mínimo bege. Todas! Deus me livre, como falam!!!
Tentei amenizar, dizendo que o fato de ele ser gay não invalidava a sua arte. Que ela estava sendo preconceituosa.
Revidou na lata...
— Na minha geração, fomos criadas para termos preconceito. Essa bandeira contra o preconceito só foi levantada de vinte anos pra cá. E, mais, a arte dele está ligada à imagem, e a imagem vendida foi a de um belo macho. Sinto-me lesada e, como está na moda, vou à defesa do consumidor. Venderam-me um gay com rótulo de macho.

Silenciei, reflexiva... Pausa para comer as fantásticas esfirras de titia, muito superiores as do Saara. Conversamos sobre outros assuntos, e lá fui eu para casa, dirigindo, pensando.

Titia tem razão.

Lembro quando Elis Regina morreu. Eu era fascinada por ela. Ainda sou. A morte precoce doeu, mas meu coração foi lesado ao saber que morreu por cocaína. Queria ter a imagem da “Pimentinha” como mulher mãe, que consegue ter sucesso e é feliz.
Droga, não era. Quebraram meu ídolo.
Eu, como eterna sonhadora, amo castelos e princesas. A Cinderela do Século XX, Lady Di, teve sua imagem destroçada. Cinderelas não sofrem de bulimia, não são promíscuas. Imaginem se me contam que o Al Pacino é veado! Puts! Sonho em dançar aquele tango de “Perfume de Mulher” encaixada nele!

Merda, ano após ano, estão destruindo nossas fantasias. Mas a tristeza maior veio com a constatação que, com a velocidade das informações, minha filha, meus futuros netos nem sequer poderão criá-las. Acabaram-se os ídolos. Todos nascem com pés de barro.
Meus heróis morreram de overdose. Overdose de divulgação. 



LIVRO PreTextos/rosapena
Rosa Pena
Enviado por Rosa Pena em 05/06/2005
Reeditado em 14/05/2009
Código do texto: T22254
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Rosa Pena
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
960 textos (1419758 leituras)
48 áudios (24767 audições)
33 e-livros (29020 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 23:39)
Rosa Pena

Site do Escritor