Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Crônica de amor em tempos de cólera

Ontem recebi uma proposta para fazer uma crônica de amor. Vejam só, amor! Crônica de amor em tempos de cólera.

É curioso, mas vida de escritor é assim mesmo. Paradoxal e visionária ao extremo. Cabe a ele minerar do tema sugerido a pepita preciosa de seu pensamento que deseja deixar ao leitor. Senão vejamos, como poderia eu falar de amor quando o que mais move o ser humano é o ódio? Como seria possível falar de amor se, ao abrir meu jornal cotidiano, vejo estampada a foto sorridente do Cel. Ubiratan sendo absolvido depois de comandar o massacre de 111 seres humanos no Carandiru? Como falar de amor ao virar a página do mesmo jornal e ver leitores afirmando que o referido Coronel devia era ganhar uma medalha por ter livrado o mundo de 111 animais? Como falar de amor se ao folhear as páginas alvinegras do jornal só o que vejo estampado ali, ao lado das publicidades de apartamentos de alto padrão em Moema, é o preconceito contra o negro e o pobre deste país? Não fosse através dessa grande peneira que é a literatura, que permite ao autor fazer escorrer por seus buracos o material indesejado, seria impossível.

Como falar de amor nessas condições? Só se.... só se eu falar do amor das 111 mães que choram há 14 anos a morte de seus filhos. Do amor dessas mães que, como dizia Chico Buarque, tiverammetades amputadas de si. De que seus guris haviam sido trucidados, indefesos e desarmados, pelo mesmo Estado que deveria fazê-los cumprir a pena imposta a cada um pela sociedade.

É difícil imaginar como juizes paulistanos puderam ignorar o amor de 111 mães desesperadas ao absolver o Cel. Ubiratan, além das leis de nossa pátria-mãe. É inconcebível como passou desapercebido aos leitores do jornalão paulistano o amor incondicional dessas mães. Será que o amor delas vale menos do que o amor de outras mães? Será que é possível medir o amor delas de acordo com a gravidade do crime que seus filhos cometeram?“Ah!” – deve passar pela cabecinha de um desses preconceituosos de plantão - "o filho daquela ali foi preso por homicídio, então agora ela ama 80% menos o filho dela do que aquela outra ali, cujo o filho foi preso por assalto a mão armada”.  Como se amor de mãe não fosse incondicional, independente dos passos incautos dos filhos nas longas e tortuosas estradas da vida.

“E as mães dos que foram assassinados por um desses que estava preso?” – responderia prontamente um desses preconceituosos – “você não estaria se esquecendo delas também?”. Não, eu responderia, e do fundo do meu coração, lamento profundamente a dor delas tanto quanto a dor das mães de presidiários massacrados no Carandirú. Uma morte não justifica outra principalmente em razção da dor da perda não diminuir com a morte do homicida. Mata-lo pode agravar ainda mais a escalada da violência se a família do homicida executado quiser se vingar da família da vítima inicial. É justamente por isso que é muito importante lembrar do papel do Estado em localidades onde a pena de morte é proibida constitucionalmente, que é o caso do Brasil. É papel do Estado garantir os direitos constitucionais e invioláveis de seus cidadãos, não trucidá-los com armamento pesado e cachorros.

Além de um insulto à memória e às famílias dos 111 massacrados do Carandiru, a absolvição do Cel. Ubiratan é uma afronta a constituição brasileira. Enquanto nossa sociedade for movida pelo preconceito contra pobres e negros, a violência só tende a aumentar, tornando-nos reféns de nós mesmos, cada vez mais isolados em condomínios gradeados, sistemas de TVs, cercas eletrificadas e carros blindados. Já passou da hora de sairmos de nossos bunkers e tomarmos medidas positivas para extirpar de vez o preconceito de nossa sociedade. Tudo isso não passa por outro caminho que não o do amor. Não esse amor hedonista que vivemos hoje, mas aquele amor que nos ensinaram há pouco mais de 2000 anos. Daquele amor tão brilhantemente ensinado na famosa lição do mestre que nos dizia ser melhor dar a face esquerda, quando esbofeteados na face direita. É esse amor que nos falta para vermos o próximo como nos vemos diariamente no espelho, para percebermos que quanto mais investirmos na educação do ser humano, menos violento ele fica, mais ele produz para a sociedade. E se mesmo assim, ele ainda errar, se o amarmos verdadeiramente, jamais pensaremos em eliminá-lo, massacrá-lo ou trucidá-lo.

Há quem diga que tal pensamento não passa de ingenuidade ou utopia. Fecham os olhos ao verdadeiro amor, a esta lição que reverbera da Palestina há 2000 anos e que ainda não paramos para escutá-la.
Roger Beier
Enviado por Roger Beier em 22/08/2006
Código do texto: T222691
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Roger Beier
São Paulo - São Paulo - Brasil, 39 anos
44 textos (4905 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 05:02)
Roger Beier