Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

AGORA SOU LEITOR DAS PÁGINAS QUE MEUS OLHOS NÃO LÊEM

Agora sou um leitor das páginas  que meus olhos não leem.
Isso foi sendo  notado muito lentamente , nas letras que  teimavam em sair da linha.
Os meus sentidos foram me deixando, O primeiro  foi o tato. Não pude sentir a grossura das folhas , os relevos , as letras colocadas  nas capas. Depois o Olfato , os cheiros se misturavam  , não podendo dizer quando era doce  ou amargo, ou mesmo o cheiro da naftalina dos antigos textos.
Estranhamente  agudizou a minha audição . Podia ouvir as palavras  conversando comigo. Falando das apreensões da heroina, do sentimento da mãe acompanhando o filho á estação de trem para partir para a guerra , da dor de Anna Karenina . Depois até mesmo as vozes foram sumindo , sumindo até desaparecerem.
A visão, minha eterna companheira  não me deixou enquanto o corpo  ia sumindo  na grande poltrona verde . Aquele abraço quente que disputei com Proust e Sade  a discutir sobre o amor e a dor. Baudelaire, Goethe e até Hegel vinham me visitar . A vista, no entanto foi se apagando  durante Finegan s Wake.
Me permitiu , entretanto  que me lembrasse pequeno  , o corpo agora diminuindo  entre as tisanas  de sopa que aquela velha teima em me servir. A visão ainda me permite ver a árvore que eu mesmo plantei em criança. Agora não passa de um borrão verde . Ela e eu crescemos juntos . Foi em sua sombra que li Dumas , Swift, Michel Zevaco e Mika Valtari. Mais tarde  juntei a este grupo um Arruda Alvim, um Rui, uma Maria Helena Diniz .
Depois vieram as mulheres , e me servi de Ovidio, de Laclos,  do Kama Sutra, sem esquecer de Bukovsky e de toda a contra cultura.
Me vejo despedindo de meus amigos , lentamente indo , e só eu permaneço. Devo ser um tipo de  estatua. Estou condenado a viver nesta  casa , com os móveis protegidos por tantas almofadas . Mas ainda conto com a minha árvore , minha eterna companheira .Procuro Neruda, Borges, Drumond para virem me fazer companhia . Acompanhei Eco na Ilha Distante, Dante aos Infernos e Llosa á Canudos.
Foi assim que me vi partindo .A longa noite vem vindo muito depressa . Diferente dos outros não tenho medo , até aguardo com ansiedade . Lá vem a velha novamente com aquela tisana de cor tão estranha - ela diz que é sopa, eu não discuto, daqui á pouco bem sei  isso só será rabugices de um velho .
Agora é hora de me despedir serenamente . Estou pronto para deitar e sonhar com  aqueles livros que nunca lerei.
grotius
Enviado por grotius em 25/08/2006
Código do texto: T225382

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
grotius
Santo André - São Paulo - Brasil, 61 anos
444 textos (16466 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 19:10)