Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Sem pé nem cabeça

Sonhei com uma pantera que tinha os olhos tão tristemente bonitos quanto os olhos mais tristemente bonitos que eu conheço. Eu chamo de pantera o que era, na verdade, um felino qualquer: do tamanho de uma onça, mas pintada de um azul que, se de noite o céu também fosse azul, seria daquele azul.

Eu olhava a pantera nos olhos, e a jogava pela janela, do 11º andar, mas ela não morria. Eu era corajosa: agarrava-a pela boca e a jogava no vento. Ela brincava de cair e de morrer e de voltar, e de novo. Acordei desistida.

Tentei montar palavras, mas as palavras estavam mais anuviadas do que as coisinhas que eu sinto, e que são sufocantemente enormes: de dar dor de tamanho, e aperreiam igual àquelas casquinhas de milho de pipoca no dente, no dente bem de trás, que são impossíveis, e nojentas. E nisso, o tempo sumiu.

E é sempre cedo quando o tempo é muito, e sempre pouco pro tanto de trabalho, e nunca bastante quando não faz acabar nem raiva, nem mágoa, nem amor, nem quando está bom. Às vezes o tempo é lento, tão lento que chego a pensar que estou no nunca: que é quando eu entristeço.

E quando, eu preciso de consolo: que mexam no meu cabelo, que digam que eu triste fico calada e melhor, que eu com cara de choro combino mais com o dengo guardado em mim a sete chaves, que qualquer coisa, mas que não animação: “ânimo!”. Assim, fico me achando com cara de auditório, e entristeço em cima da tristeza do tempo. Eu sou só uma, e é cara de gente que eu tenho, e é de consolo que preciso.

No meu quarto tem um adesivo na janela que pergunta assim: “você abraçou hoje?”. Eu sempre respondo que não, mas que a vida é boa, que o trabalho é muito, e que está bom: no final do dia, sinto cansaço.

Aí dizem que eu sou auto-suficiente... Mas eu não, e tenho provas: quando eu mexo no meu cabelo eu não me sinto consolada, mesmo fazendo de conta que a mão não é minha... São auto-suficientes de mim, aí ficam inventando coisas: desculpadores.
Cristina Carneiro
Enviado por Cristina Carneiro em 26/08/2006
Código do texto: T226061
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Cristina Carneiro
Fortaleza - Ceará - Brasil, 34 anos
56 textos (2431 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 01:40)
Cristina Carneiro