Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

ERA UMA VEZ

( Ao desafio da Magriça )

Desde sempre foi assim: o impensável para os comuns, a turba, o povo, sempre fez parte do dia-a-dia da casta que comenda o Poder; basta ver a história.
No Brasil, não há surpresas, é só querer ver os rastos e os restos deixados pelos donos do Poder por onde passam. Aqui, longe de ser sutil, o rasto toma contornos de absurdo à medida que os seus frutos podres se espalham: quadrilhas se instalam dentro dos Três Poderes, dentro da Polícia Federal, dentro do INSS, dentro dos Bancos Estatais, dentro das Empresas Estatais, crias das castas que comandam o Poder...
A questão não é uma Nação ter um Presidente com pouca base de conhecimentos gerais, isso até é comum, e com uma mente que se permite fazer apologias de fatos que ainda esmagam grande parte do povo e os envergonha perante a humanidade, nem ter um comandante do Crime Organizado com larga base cultural, isso apenas reflete uma condição pessoal dele, sorte dos bandidos terem um comandante melhor apanhado de intelecto; mesmo sem avião, comandam a sua nação, mesmo sem Palácios, negociam com Chefes de Estado.
Não é nem trágico, nem cômico: é resultado!
É concebível que todos tenham caído menos um? É concebível que, na disputa pelo Poder, o jogo seja não ganhar? É concebível que todos os discursos sejam tão vazios, que nos levam a crer que sejamos um País com um povo idiota, ou um País de idiotas?
Como será o dia seguinte com Evo Morales fechando o gás e o Chaves no comando do petróleo? O que faz o candidato da oposição não falar claramente qual a sua política para que para que esse dia não aconteça? Por que ele só gagueja sobre um programa fraco?
Não é trágico, nem cômico: é um engano!
Olhamos para as marionetes e não paras as cordas, nem para os dedos que as comandam!
Vimos o que o Congresso fez para proteger os seus e ainda veremos muito mais pela frente, passadas as eleições. É possível que recolham as marionetes, troquem o cenário e abram as cortinas de uma nova peça com os mesmos manequins vestindo outras roupas...
Sorte dos bandidos terem um intelectual no comando, a inteligência não é um atributo humano que só se manifesta em homens que estão na estrutura oficial do poder. Quem pode dizer que nós, o Povo Brasileiro, não temos os nossos, não aquele um, especificamente, isso nem é importante, mas muitos: sim, as mentes que vêm deixando esse rasto fétido e que agora é visível por todos os lados, são aquilo que pensamos que temos de melhor, pois ocupam os postos mais altos da estrutura do nosso Poder Organizado...
O Presidente que temos, e daí para baixo, são fruto de uma orquestração desses intelectuais, os verdadeiros donos do Poder; por isso que o Nº 1, tanto faz que tipo de mente possua, desde que atraia os votos dos outorgantes oficiais. O que explica que o podre atual não cai é que o podre que saiu não pode feder agora. Mensalão, Sanguessugas, Banestado, Dantas e outros eventos que estão na mídia, ou esquecidos por ela, dizem, são cadáver pequeno se comparado ao que foi sepultado pelos nossos políticos e magistrados na outra legislatura...
Os maestros desta trama jogam o jogo do impensável, é por isso que temos essa nova peça montada com esses figurinos...
Os nossos intelectuais comandantes aprenderam tudo negociar, até o terrorismo eles nos apresentam agora como uma nova peça do novo jogo. Já não se importam de matar alguns exemplares do Povo, devem ter aprendido com os grandes do mundo que é preciso um pouco de horror para esconder as feridas expostas que o Jogo do Poder deixa quando jogado na sua forma mais predatória. Antes bastava Propaganda e Fé, agora já necessitam de Horror, Propaganda e Fé: a nossa riqueza espiritual explorada, exaurida pelos sanguessugas da alma humana, além do dinheiro dos cofres públicos, é claro.
Não é trágico, nem cômico: é uma constatação. Nós somos reféns da nossa Democracia comandada por intelectuais corruptos, corruptores e doentes. Fomos nós quem entregamos a eles a pena que escreve as Leis e eles as escreveram para si, contra nós e nem nos tocamos. Vejam os exemplos nos Poderes Constituídos!
Acordamos tarde! Eu ainda sonho que haja homens íntegros em número suficiente nos Três Poderes, é a nossa única chance de limparmos a nossa Democracia desses homens que subverteram a nossa Estrutura Política. Noutra noite, o Arnaldo Jabor perguntou se não sabemos o nome dos verdadeiros responsáveis por esse quadro escabroso de corrupção e imoralidade, irresponsabilidade e violência, acrescento, que está diante de nós agora. Quem são os homens que estão por trás disso?
Eu sei que eles temem o voto Nulo, embora eles subam ao poder ou alcem seus representantes de qualquer maneira, não querem que o País veja em números quantos são os cidadãos que eles já não enganam mais.
As campanhas dizem que o Governo é tão bom quanto o meu voto: que vergonha eu tenho do meu voto! O meu voto mentiu para mim!
Eles estão desesperados dizendo que o meu voto faz a diferença e convencerão a muitos que acabarão chancelando os mesmos, ou criando novas peças para o Jogo dos verdadeiros comandantes do Poder.
Não é importante aquele que fica em evidência, tanto faz o tamanho da cabeça dele, já tivemos prova disso, o importante, ou, os importantes são aqueles que estão nos ofertando os candidatos; o mal não é o Marcola ser um homem de intelecto privilegiado, o José Dirceu também o é; F.H.C., o nosso Ex Presidente de tão decantada inteligência e cultura, aliás, toda a cúpula Tucana, do PMDB, PFL e dos outros Partidos, também nos dão sinais de inteligência acima da média, até na Academia Abrasileira de Letras há exemplares por lá...( será isso um sinal? ) Os nossos Ex e atuais Ministros acredita-se, sejam de inteligência e intelecto privilegiados, se não, não estariam lá. Quantos Magistrados e Promotores não estão na mesma condição? Então, responda-me, por que essa Democracia que vemos?
Não te darei as respostas, mas, abri algumas portas: os nossos Comandantes nos tem como reféns e jogam o Jogo a seu favor, nada mais fazem pelo País porque o País está definitivamente preso e exaurido pelo ágio internacional, então, a eles é lógico locupletarem-se o quanto e enquanto puderem, mantendo-se bem no alto da torre, como foi no tempo da Bastilha.
O meu voto é muito importante para chancelar as peças apresentadas, por isso, ele será um daqueles que eles querem evitar ou esconder das estatísticas.
Escolham as cartas marcadas, votem e depois chorem, não há mais nada a fazer.
Só para encerrar, não duvidem de ver o nosso Presidente se orgulhar de mandarmos os nossos meninos para morrer na guerra dos outros: parece que os Estados Unidos não estão tendo mais Soldados para matar nas suas guerras...
Finalmente faremos parte do Conselho de Segurança da ONU! Que orgulho! Tenho certeza de que o nosso Presidente saberá negociar alguns “quilos de carne brasileira” por conta da nossa Cadeira! Imaginem ele, que nem se compara ao F.H.C., em termos de estudo, chegar lá...
Terrorismos já temos, alguma guerrinha não fará mal para ninguém, afinal, até a morte acaba sendo esquecida, confortada pela Fé.
Dá outro mote. Que tal: o quê a nossa Sociedade ainda pode fazer para se salvar da nossa Democracia corrompida?
Chico Steffanello
Enviado por Chico Steffanello em 27/08/2006
Código do texto: T226692

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Chico Steffanello
Sinop - Mato Grosso - Brasil, 58 anos
246 textos (31044 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 09/12/16 07:38)
Chico Steffanello