Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

POEMAS MÍNIMOS - LUIZ GUERRA

“Que seja guardado
a firme letra, e o Existente
Bem interpretado.”
Hölderlin

 Sou convidada à leitura. O mar virtual oferece as ondas e define os horizontes em renovadas janelas. Aporto no blog “Poemas Mínimos” de Luiz Guerra (http://luca.zip.net) e encontro verdadeiros motivos para navegar. A intensidade dos poemas em três versos dá o ritmo às grandes jornadas. A narrativa plena da vida é interpretada nas perspectivas do “eu”, poeta e protagonista, dividido entre o sonho e a realidade.
Os títulos surpreendem. As palavras são máscaras reluzentes que alimentam as fantasias. Busco significado no dicionário e não encontro. A verdadeira poesia não é tão clara. A linguagem metafórica costura na obscuridade a fonte para os clarões originais de conhecimentos. Os versos reverberam e escrevem novas emoções no cotidiano. A sensualidade desenha o arrepio no corpo, a linguagem do prazer eivada de poesia. Sedução? Talvez o novo significado de uma palavra desconhecida.
[Buridã]
mal sabem da minha sede
os teus lábios,
da minha fome os teus pêlos
O poeta é o ser em eterna busca e se surpreende com o que revela. Desejo? Saudade? Os versos são enigmas a serem desvendados por cada um. Retratos de vivências, projeções de sonhos... Não defino o que intitula o poema, apenas deixo-me dar continuidade ao enredo. A nostalgia tênue é apunhalada pela passionalidade expressa no “Recado”. Os véus da fatalidade dão novos perfis aos sonhos no compasso flamenco. Carmem surge desafiando os interditos no imaginário do amante. Punhais rasgam o erotismo:
sonho-me em sevilhas de sonho
emaranhado em amores de carmens
ciúmes e punhais dementes
Ler é se descobrir em plurais espelhos. Interpretações, palavras, imagens... Êxodos obrigatórios! O cotidiano resseca o solo e já não alimenta. O poeta se entrega ao caminho e percebe os contrastes.
[Êxodo]
viu o caminho e a paisagem
viu o deserto e o degredo
viu os jardins, viu os tormentos
As imagens atestam nossas trajetórias. Assumimos a co-autoria, apropriamo-nos do verbo em todos os tempos possíveis. Lembranças e presságios. Conjugo as profecias: verei os jardins, verei os tormentos... A paisagem se confundirá com a beleza e o horror e será o acaso do caminho ou, quem sabe, o destino...
[Baruch]
manto rasgado pelo cego punhal dos profetas
ódio de escuros céus
atrás do espelho
Sem palavras. Escondo-me sob a imagem coberta pelos tantos véus. Deixo as possíveis interpretações resgatarem as percepções mais íntimas no espelho vendado pela fúria divina e apunhalado pelos ódios enigmáticos. Costuro os versos e retorno à realidade ainda envolvida em sonhos. O vazio é compreendido em uma nova palavra desconhecida. Uma colcha é cerzida com os versos já entranhados:
[phármakon]
rendeira de bilro
teço os vazios
da tela roída de sonhos
Poemas mínimos que gritam os abismos e os vértices. Na triangulação de vivências, aproprio-me da hipotenusa e deixo os catetos alicerçarem as realidades e os sonhos encontrados nos versos de Luiz Guerra. A leitura dos “Poemas Mínimos” é um trajeto obrigatório para os que buscam verdadeiros caminhos. Um novo amanhecer é escrito no “diário de bardo”:
Hoje sonhei com o cão do andarilho
Farejando o meu sonhar
E os meus segredos
Convido todos os leitores a mergulharem no oceano poético de Luiz Guerra.

Helena Sut
Enviado por Helena Sut em 24/01/2005
Código do texto: T2330
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Helena Sut
Curitiba - Paraná - Brasil, 47 anos
614 textos (790258 leituras)
2 áudios (1258 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 10:21)
Helena Sut

Site do Escritor