Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

COLCHA DE RETALHOS

Amanhece em mim o abandono das recordações. A falta de sentido de uma lembrança solta. Um eu exposto que aparece completo camuflando um todo fragmentado.
Palavras em narrativas sedutoras se libertam e se perdem. Novos retalhos dissimulam as emendas. Um discurso que se concretiza e se distrai...
Abro o baú de recordações. Achados se perdem no cheiro do esquecimento. Minha história vai mofando amofinada num corpo que não é o meu. Escondo os sonhos sob a colorida colcha de retalhos e tento ofuscar a escuridão com a claridade de uma janela...
Aproprio os guardados e costuro minhas partes. As metáforas assumem novas funções, já não camuflam inverdades... Transformam-se num tear costurando lembranças: meus pássaros voam, perdem as asas, entregam-se ao cotidiano, tornam-se formigas, seguem o rumo, navegam no infinito e pousam sonolentos no papel.
Linguagem sonolenta é linguagem infantil. Costuras, agulhas, cores traçam sinceras percepções... A certeza de uma vivência costurada traduz novas inquietações. Vestes de expectativas decoram as velhas roupas desbotadas.
Indagações bordadas – Quem viveu? - respostas cerzidas – Eu! Remendos que camuflam as lacunas da colcha de retalhos. Singular e plural se mesclam e já não sou eu ou nós... Sou ele.
As lembranças se perdem em sujeitos indeterminados. Parte de mim sentida como própria e outra parte, recordação percebida pelos outros.
Monto peças no palco das reminiscências e sou personagem – protagonista do que não vivi. Não consigo me separar completamente. Algumas lembranças são minha primeira pessoa, mas continuam sujeitos indeterminados quando tento identificar as autorias...
Aprendi a me reconhecer nos passados Eus. Exploro as metáforas e narrativas. Desnudo-me e imprimo no corpo a sutileza dos motivos. Transporto sombras para o papel que retalham o meu absoluto. Sou relativa aos esquecimentos e às recordações.
Teço vivências em linhas do presente. Sou colcha de retalhos com emendas de lucidez e loucura...
Helena Sut
Enviado por Helena Sut em 09/06/2005
Código do texto: T23340
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Helena Sut
Curitiba - Paraná - Brasil, 47 anos
614 textos (789737 leituras)
2 áudios (1258 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 15:56)
Helena Sut

Site do Escritor