Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

REFÉM DE UM AMOR


“Perto de ti dança minha alma desarmada...”
Balada de agosto
Fagner e Zeca Baleiro

O arrepio de uma melodia. A música desenha o riso misterioso na face da saudade com a presença do momento de prazer... Amadurece no olhar distante e se reescreve com as emoções ressecadas de uma desilusão.
O verso desnuda a entrega com os véus da certeza do encontro, com a constância do encantamento... Com as metáforas decifradas, grava a cicatriz da ingenuidade nas lembranças dolorosas. O “vinho derramado” na música Balada de Agosto conclui a certeza de que seu coração “vive cheio de amor e deserto”.
A mulher retorna ao caminho com um novo perfil, um novo traço marca a ausência no canto do seu sorriso. Um esconderijo para suas verdades mais íntimas... Ela retorna à rotina, sobrevive nos passos das novas sombras, cansa das recordações reticentes...
Tantos dias marcam a certeza. A impossibilidade de plantar o futuro na aridez de um desencontro. Arde a percepção nos infinitos areais de um coração repleto de deserto, esfria a expectativa do prazer nas noites sem proteção de um coração cheio de amor...
De longe, observa o perfil do homem abatido, caminhando do outro lado da rua. Seu olhar é oblíquo, finge não o perceber, enquanto ele disfarça sua presença. Seus caminhos se encontram, mas sem destinos... As palavras e os gestos nas recordações são armas poderosas que aniquilam o presente.
“Lá fora a chuva desaba e aqui no meu rosto...” O início da música reabre a janela para a remota paisagem. A mulher entra em casa sozinha e encontra, sob os escombros do relacionamento, razão para as tantas lágrimas que deságuam. Seu rosto é a foz do rio de um equívoco.
Desespera-se. Olha as paredes ao redor, sente a aridez dos motivos a endurecer a alma desarmada, sua dança abruptamente interrompida... Anoitece com os tantos brilhos molhados. Seu choro é corrompido pela ausência de dor... Sente o coração desértico a suplicar pelo calor de uma paixão para ancorar seus pensamentos...
“Perto de ti dança a minha alma desarmada...” O verso revive a fragilidade diante de um olhar mareado. As palavras silenciam salgadas nos ventos das recordações.

Helena Sut
Enviado por Helena Sut em 24/01/2005
Código do texto: T2337
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Helena Sut
Curitiba - Paraná - Brasil, 47 anos
614 textos (789846 leituras)
2 áudios (1258 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 05/12/16 00:58)
Helena Sut

Site do Escritor