Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A IMPESSOALIDADE DA MODERNIDADE.


Hoje fui ao cinema, e lá chegando  refletir que somos hoje impessoais nesse lugares, quando lá cheguei  o filme já havia começado, estava escuro é claro, apesar de haver nas escadas um sinalizador, mesmo assim tivemos dificuldades de encontrarmos um bom lugar, neste momento me deu saudades da figura do lanterninha que tínhamos há alguns anos, mas,  não serei leviana em dizer por que não me lembro quando ele deixou de existir, mas, que hoje senti o quanto ele era importante naquele momento.

Lembro que essa figura sempre estava na entrada da sala de exibição nos esperando com uma lanterna na mão,  sua missão era nos ajudar  naquele momento a encontrar um lugar, ele mais parecia um anjo sinalizador, que zelava por nós,  na maioria das vezes se tornavam nossos amigos  de tanto que  irmos ao cinema, pois não havia na nossa infância Manauara televisão( desculpe mas para mim não fez falta) .
 
Também na hora, lembrei de outra figura importante naquele momento, era o ¨bombozeiro¨ que passava com seu tabuleiro cheios de balas, chicletes bola, sabor uva Ping Pong,  e do famoso bombom  ¨Piper¨ (será que é assim que se escreve.. não lembro), uns bombons quadradinhos de menta, que hoje não mais encontro.

De quebra ainda recordei que levávamos revistinhas,  os famosos gibis para ler enquanto aguardávamos o filme começar, e  trocávamos  essas revistinhas já lidas com outros colegas na mesma situação. Isso quando alguns meninos não  vendiam essas revistinhas usadas nas portas do cinema Guarany({assassinado}  e Polyteama, os ( quem moram em Manaus sabe).

Lembrei de uma coisa bem gostosa também,  mais pura talvez não existisse, o famoso ¨ficar¨ da época, quando uma menina e um menino  sentavam-se lado a lado, e davam-se os dedinho mínimo, algumas vezes se arriscavam a  ficar de mãos dadas, e os mais ousados até beijar na boca. Que nisso se parece muito com o ¨ficar¨ de hoje se parece. E quando  saíamos dali  nem olharmos para o lado.

Veja o que me fez lembrar uma simples entrada atrasada de alguns minutos,  nesse momento me sentir desconhecida por todos, tenho que me conformar que  hoje estou no ano 2006 , não nos anos 60, ou 70, PACIÊNCIA!

 

MARIEL BENAION
Enviado por MARIEL BENAION em 06/09/2006
Reeditado em 12/06/2013
Código do texto: T233737
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
MARIEL BENAION
Manaus - Amazonas - Brasil
110 textos (15102 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 17:46)
MARIEL BENAION