Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Dai a César o que é de César. E o que não é também.

Quando Cristo foi indagado  pelos fariseus se seria justo pagar os tributos cobrados pelo Imperador romano Júlio César, Cristo respondeu: Dai a César o que é de César. Deixando  os hipócritas sem rumo e sem palavras e ao mesmo tempo lançando as bases da separação da ordem da política e a ordem do espírito. Essa passagem bíblica se mostra tão atual que poderemos criar em nossa imaginação uma situação semelhante  em nosso mundo capitalista. Então... imaginemos um personagem e paciente chamado “povo”, deitado num divã e um psicanalista apto a escutar suas lamentações e repúdios. Entretanto, perguntar sobre tributos nos dias de hoje é mil vezes mais complicado do que naquela época e com certeza o povo teria que seguir alguns conselhos, para não deixar o psicanalista em apuros e para não complicar  o que já é complicado. O  primeiro passo seria saber qual tipo de imposto está se falando. Isso é, se o povo  já conhece todo esse emaranhado  de siglas que o envolve: IOF, CPMF, COFINS, ICMS, PIS, IRRF, ISS, etc, etc, etc e tal. O segundo passo seria tentar não misturar as siglas de impostos com outras que avivam nosso cotidiano, como: DNA, Gb, HD, RPM, XP, TGA, DVD,  MP3, JPEG, PDF, NBA, TSE, FIFA, CBF, e por aí vai. O terceiro passo é não exigir muito do psicanalista, pois com certeza ele não saberá explicar nada do que queremos saber. Afinal,  vivemos num país de terceiro mundo (apesar do segundo nem mais existir) e pagamos impostos como se fossemos de primeiro. O quarto passo é saber  se a consulta é gratuita ou paga pelo SUS, caso contrário saia enquanto é tempo do consultório. Agora, saindo da ficção e voltando para a realidade, vamos analisar os nossos tributos. Só que antes uma ressalva, tributo tem duplo sentido, pode ser elogio / homenagem ou imposto, e lógico que estamos falando da segunda colocação. Pagamos pra nascer, pra morrer e pra viver nem se fala, vivemos pra pagar e essa é a nossa cultura nacional e nossa penitência. Pagamos de tudo, e só perdemos pra Dinamarca nos impostos sobre salário no mundo, 43% contra 42%, confesso que nesse campeonato gostaria de ver o Brasil na lanterna. Trabalhamos o ano inteiro e 40% do que ganhamos são impostos, pra termos saúde, segurança, educação ,etc(na teoria). Como em parte não temos, somos obrigados a ter tudo isso na esfera particular  e lá se vai o resto que sobrou. Mas, nós  como (povo brasileiro) somos mágicos, conseguimos aos trancos e barrancos comprar algumas coisas e vejam só os absurdos de impostos embutidos que pagamos: carro zero 43,63%, energia elétrica 45,80%,  gasolina 53,03%,  DVD 38%, açúcar 40,50%,casa popular 39,50%. UFA!!! É bronca amigo. E se depois de tudo isso, você não se dá bem com a sogra, seu vizinho lhe enche o saco e sua mulher estoura seu cartão de crédito, não se desespere. Afinal, botar a boca no trombone pode lhe custar caro, esse instrumento tem 40,84% de tributos e se você pensar em encher a cara na birita, aí a desgraça tá feita! a cachaça tem 83,07% de impostos.  Então, é por essa e outras que não entre em colapso emocional caro colega, porque o único pagamento que não
Tem imposto é o do “mico”...e isso por enquanto.
Nelson Rodrigues de Barros
Enviado por Nelson Rodrigues de Barros em 06/09/2006
Reeditado em 06/09/2006
Código do texto: T233977
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Nelson Rodrigues de Barros
Natal - Rio Grande do Norte - Brasil
579 textos (35331 leituras)
5 áudios (1099 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 03:29)
Nelson Rodrigues de Barros