Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

                                O LAZER

A praça Dionísio Rocha de Lucena era o lugar de divertimento para a juventude brejosantense.

Independente de cor e situação social, todos para lá se dirigiam à noite para o seu lazer. Contudo, havia divisões estabelecidas pela própria sociedade. A primeira parte da mesma que ficava entre a Av. Duque de Caxias (atual Manoel Inácio de Lucena) e a rua José Matias Sam-paio era denominada popularmente de “a praça dos negros”. Ali passeavam não propriamente os de cor negra, mas todas as empregadas domésticas (mesmo loiras), trabalhadores(as) braçais, a plebe, enfim. O restante dela era destinado aos brancos; ficando os que preferiam sossego para um namoro mais reservado na parte terminal, que compreendia o trecho entre a rua 26 de Agosto e a rodagem. Era ali menos movi- mentado pelos jovens, porém, às vezes tumultuado pelas brincadeiras de uribusca e de bicheira das crianças.A par-te central, localizada entre as ruas José Matias Sampaio e a 26 de Agosto, era o lugar preferido para aqueles que que-riam passear e flertar. Era muito divertido ficar dando voltas seguidas passando sempre pelo broto com quem está- vamos flertando, enquanto ouvíamos as músicas que a ampli- ficadora lançava ao ar para nos alegrar ou entristecer, de acordo com o conteúdo da mesma ou a situação que elas nos faziam recordar. Mascando chicletes, chupando bombons ou comendo pipocas e amendoins fazíamos o nosso ritual sem nos cansarmos.

Todas bem vestidas, com tecidos da última moda, so-bre saltos bem finos encantavam os paqueras de cabelos bem cuidados, penteados com brilhantina, vestidos impecavelmen-te.As elegantes garotas com olhares inocentes, porém insi-nuantes, enlevavam os garotos que lhes deixavam as faces enrubescidas pelos galanteios.

Ao lado das músicas lentas e românicas do trio Ira-ktan estavam as agitadas da jovem guarda como O Calhambe-que, Splish Splash de Roberto Carlos, o rock, o twist, o iê, iê, iê que tanto nos alegravam, quer na praça quer nos bailes e tertúlias.

Aos domingos, após a missa das nove horas da ma-nhã, todos os jovens se dirigiam para a praça e ali fica-vam até o meio dia, passeando, ouvindo música, batendo pa-po, flertando e namorando. Era muito gostoso e ninguém se incomodava se o sol estivesse quente. Cada um procurava a-brigar-se à sombra das árvores.

O passeio da praça, quer à noite quer pela manhã, foi sempre um programa muito especial para os jovens da minha geração.

Uma outra opção de lazer na nossa cidade era o te-atro.Algumas pessoas da nossa comunidade reuniam-se e jun-tas ensaiavam as peças que seriam apresentadas ao público, para o seu entretenimento e assim contribuíam para o seu crescimento cultural. Muitas obras de escritores famosos foram transformadas em peças teatrais e levadas ao povo no palco do Círculo Operário São José. Tivemos como artistas do Teatro de Amadores São José entre tantos outros: Louren-ço Gomes, Valmir Alves, Bernadete Silva.A Escola Pe. Abath também colaborou com o teatro da nossa terra, tendo como artistas os próprios alunos, dirigidos pelo professor Macê-do.

O lazer é algo necessário ao ser humano. E na ju-ventude ele é indispensável e deve ser sadio pois é um dos elementos formadores da personalidade do jovem.

marineusa
Enviado por marineusa em 07/09/2006
Reeditado em 26/10/2006
Código do texto: T234608

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (marineusantana@hotmail.com). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
marineusa
Brejo Santo - Ceará - Brasil, 71 anos
1726 textos (322793 leituras)
39 áudios (29265 audições)
18 e-livros (9104 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 03:39)
marineusa