Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A doçura de um paiol

Dona Rosinha, uma gordinha senhora de seus cinqüenta anos,  trabalhava como doméstica na Fazenda do Pontal. Decidiu voltar a trabalhar para ajudar nas despesas da casa, ou mesmo, para ter seu dinheirinho sem precisar pedir ao marido que era “pão-duro” como ele só!
Além de arrumar a casa, ela ajudava na lavagem da roupa e a cozinha deixava sempre arrumada. Não era aquela limpeza de primeira, mas Dona Rosinha fazia de bom humor  o que lhe era destinado. Mas o que mais ela gostava de fazer era levar comida para os gatos. Por causa dos cachorros, eles resolveram mudar para perto do paiol. Além do  sossego, teriam também  a posse de algum descuidado ratinho que por ali se aventurasse a passar, depois de se esbaldar com o milho do paiol. A mordomia maior era ter, com hora marcada, a refeição que era sempre oferecida pela prestimosa Dona Rosinha.
Era só terminar a  arrumação da cozinha, colocar as panelas em seus devidos lugares, e passar mal-mal   o pano no chão, a senhorinha pegava a vasilha com o almoço dos  gatos e,  apressadamente,  descia  para os fundos do quintal.  Nada errado, se não fosse a demora em voltar para continuar a lida da casa. Às vezes, dela precisavam os dois velhos patrões, que gritavam por seu nome, mas nada!

Um dia,  o Sr. José resolveu ir atrás para ver o porquê de  tanta demora em uma simples tarefa, que ele, embora  com as pernas trôpegas, fazia em alguns poucos minutos. Andou por todo o quintal e nada da “mocinha”. Foi ao pomar.  Quem sabe estava ela  à procura de alguma fruta. Depois de olhar cada cantinho, não restava outra alternativa, senão  o paiol. E, quando ele abre a porta do pequenino cômodo, o que fez foi voltar correndo para casa, meio incrédulo e transtornado pela visão: na penumbra do quartinho, tendo como colchão as espigas de milho, a respeitável Dona Rosinha, vestida de eva, enleada estava  nos braços carinhosos do caseiro!
Sr. José guardou para si o segredo da pombinha, dizendo para Dona Mercês, sua princesa, ignorar onde ela se metera, mas  o caseiro,  com sua língua solta, é que  pôs tudo a perder.
fernanda araujo
Enviado por fernanda araujo em 08/09/2006
Reeditado em 13/09/2006
Código do texto: T235535
Classificação de conteúdo: seguro
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
fernanda araujo
Divinópolis - Minas Gerais - Brasil
1058 textos (204235 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 20:38)
fernanda araujo