Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

SENHOR MARTINS.

Saí hoje pela manhã a caminhar. Declinei um pouco da rotina, deixando de tomar o ônibus que me leva da creche, onde deixo o meu filho caçula, ao meu trabalho. Resolvi então seguir por um atalho e ir a pé para a repartição. Enquanto caminhava, apesar do intenso tráfego de automóveis pude ver um belo cenário que favoreceu a minha lembrança e reflexão - Brasília tem uma característica impar, quem vive aqui sabe bem do que estou falando, é toda ornada pelo cerrado, que guarda em si seu imponente garbo.

Enquanto caminhava em meio à vegetação, sem saber bem o porquê, me veio a memória essa impressionante figura.

 Digo figura, pois era o Sr. Martins uma personalidade, não fosse a vulgaridade da vida de um pescador, que por ser simples e comum se torna apenas uma generalidade. E, à primeira vista, todos são tomados por um – É dizer que um pescador sempre será para o mundo um pescador e simples contador de historias. Quem já não está familiarizado com o dito – História de Pescador? Era sim, ele, um excelente contador de histórias, que encantava. Fixos nele olhos interrogantes se deixavam.

Na verdade além de ser um lançador de redes ao mar, quando estava em casa, lançava-se ele próprio em sua rede,  que eternamente ficava armada, ou seja ficava de maneira apropriada para a qualquer momento ser utilizada; prontinha para se deitar, a ocupava à moda de um bom nordestino (escanchando-se na rede em seguida a impulsionava, deliciando-se, num leve balançar). Dessa maneira é que esse personagem sorvia seus conhecimentos – sempre que se encontrava fora do mar e de compromissos com a calafetagem do barco ou outras responsabilidades seu Martins ia ao encontro dos seus inúmeros livros – possuía várias enciclopédias. Ele foliava os seus livros diariamente. Após aquela rotina eram os livros guardados numas  caixas, visto que não havia estante em sua casa, essa, na realidade era a casa dos meus pais – que dele alugaram, com a exceção do quarto onde vivia ele com seus dois filhos. Gostavam de comer ovos, crus, batidos com açúcar – tentei experimentar, entretanto foi constrangedora a situação em que me meti certa vez aceitando ao convite gastronômico. Meu paladar e olfato rejeitaram de pronto a essa primeira experiência guardando até hoje as impressões. Não sou dada a frescuras, porém, a minha sensibilidade orgânica, neste caso, falou bem mais alto.

Eu era uma menina de, mais ou menos 11 anos de idade. Quando mudamos para àquela casa e conheci o Sr. Martins, um negro pescador de seus 70 e alguns anos. Tinha ele naquela época, a história de seus antecessores viva ainda, assim como muitos dos seus personagens, no seio da família - descendiam de africanos trazidos à força e escravizados aqui, mais precisamente nas terras maranhenses. Infelizmente por peculiaridades da vida, como essa mácula, ele não era visto como uma pessoa culta, apesar do grande conhecimento ou pela extravagância demonstrada ao referir-se a outras culturas, as conhecia através dos bons livros que estavam sempre em sua companhia – um autodidata, seu Martins, essa figura, era dessas pessoas que não só sabia ler, mas entendia o que lia e tinha em si a capacidade de saber repassar o conhecimento adquirido.

 Enquanto me lembrava do Sr. Martins, fui reflexionando se toda essa minha admiração é apenas a resultante de uma boa recordação ou se são raras, hoje em dia, pessoas simples, mas de pura e natural nobreza, embora tendo tão pouco em termos materiais como o velho conhecido.

Sinceramente, após a chegada ao meu destino – lamentei a rapidez do meu caminhar e a triste, e, pessoal conclusão de que atualmente  crianças e adultos já não mais pararam para observar ídolos verdadeiros – quiçá, porque o próprio homem ao lapidar-se exteriormente, civilizar-se, se esquece de, também, burilar o espírito.
Agradecida fiquei a Deus por haver colocado em meu caminho um ser comum mas de relevante personalidade que hoje com toda a minha madureza rendo tributo quase infantil a um vulgo tão nobre.
Cláudia Célia Lima do Nascimento
Enviado por Cláudia Célia Lima do Nascimento em 11/09/2006
Reeditado em 13/04/2007
Código do texto: T237771

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (cite o nome do autor e o link para a obra original.). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Cláudia Célia Lima do Nascimento
Luziânia - Goiás - Brasil, 51 anos
476 textos (16060 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 02/12/16 20:17)
Cláudia Célia Lima do Nascimento