Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

                 Lovely Rita

    
                                   Rosa Pena


Após uma separação exaustiva, muitas idas ao advogado, sorrisos falsos de "apenas bons amigos", discussões calorosas de quem fica com o quê (o dvd do Fred Mecury fui eu quem comprou, viu?), Rita enfrenta seu primeiro sábado, depois de vinte anos de casamento, literalmente sozinha. Os filhos foram passar o fim de semana com o ex-marido, mas não ex-pai. Luiz foi um merdão de parceiro, mas ela reconhece que sempre foi um paizão.

Pensa em ir a uma boate, mas desiste rapidamente, pois seus cabelos estão uma titica... ou melhor, sua alma é que está.
Resolve que na segunda-feira irá ao cirurgião plástico, tentar ficar com cara de clone. É, esticada que nem a Elza Soares, mas em versão branca, que nem a Deborah Evelyn. Cara de Michael Jackson, Glória Menezes, cara de clone... Sempre com aquele ar de espanto, lustrosa de tanto esticar. Pronta para eternizar-se no museu de cera ainda em vida.

Vai pôr também silicone nos peitinhos caídos de tanto o Luizinho mamar. A partir de segunda, todo mundo vai saber que ela é uma cinqüentona que fez plástica, apesar de ela só ter quarenta e cinco!
Lembra-se também de comprar diversas calças com bolso faca. A mão vai viver enfiada no bolso. Será que tem botox para mão? A mão não tem dedo-duro, é o próprio dedo-duro. Entrega geral. Agora só vai pra night, quando estiver clonada e bem branca, só sairá com filtro solar fator 970. Não pode ter manchas senis na pele.

Ficar em casa sozinha leva-a a conferir sentimentos em forma de CD. Rita Lee, sua xará, com o bendito banho de espuma, foi testemunha da tal confusão de pernas dela com o Luiz.
— Merda, nunca mais vou ser feliz. Ou vou, depois da clonagem?
Enquanto não chega o dia, resolve comer muito. O regime começa na terça, junto com a plástica. Desistiu de segunda. Segunda, pára de fumar e olhe lá.

Pipocas com muita manteiga, muito guaraná e sem ser diet. Depois, um sorvetão. Coloca Lança-Perfume bem alto, para não ficar impune, e parte para o microondas.

Faz um puta pote delas. Entupidas de sal, é tudo de bom! Por falar dele, cadê ele? Esqueceu-se de comprar ou ele foi na partilha de bens? Porra! Urubu cagou na sua cabeça. A vontade agora de comer a pipoca é maior do que a de plastificar a cara. E por falar em cara, lembra-se do vizinho do lado, o maior cara-de-pau do prédio. Antipático pra dedéu. Nem um bom-dia dá! Agora também dane-se. Está divorciada, é uma mulher emancipada, breve, siliconizada. Enfrenta todas.

Vai ao apartamento dele. Bate na porta, ele atende. Ela, com aquele belíssimo pote e com cara de babaca, pede o sal.
Ele avisa que tem, mas fala entredentes, quase sussurrando, que tem a crença de que sal não deve ser emprestado... Dá azar. Ela, sem graça, diz que respeita a tal crença imbecil, agradece e dá meia-volta. Sempre soube que ele era nojento, retardado.
De repente, porém, ouve aquele psiu!...

— Não posso emprestar o sal, mas não tenho crença nenhuma que impeça de comermos as pipocas aqui, juntos...Topa?
Pipocas com cheiro de coisa maluca!

A plástica foi feita no próprio sábado, sem anestesia.
Botox no ego! Silicone na alma!
Ficou bem lustrosa a auto-estima da Ritinha!
 
 
 

LIVRO UI!
Rosa Pena
Enviado por Rosa Pena em 25/01/2005
Reeditado em 05/12/2009
Código do texto: T2403
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2005. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre a autora
Rosa Pena
Rio de Janeiro - Rio de Janeiro - Brasil
954 textos (1389931 leituras)
48 áudios (24755 audições)
33 e-livros (28798 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 26/09/16 07:27)
Rosa Pena

Site do Escritor