Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

               Entrevista de Lula na Band e o voto nulo 

     Novamente tivemos a imprensa entrevistando o candidato a reeleição Lula em sua residência oficial. Não que seja picuinha, mas não compreendo o porquê disto. Todos os candidatos são entrevistados no estúdio da emissora e o candidato chapa branca tem que ter a regalia? Se quiserem entrevista-lo precisar recorrer deste expediente! 

     No mínimo as emissoras deveriam dar uma explicação ao seu público porque o agir desta forma, ou dizer que também os outros candidatos podem dispor deste expediente. As televisões não podem esquecer ou desaperceber que seu publico é o mais variado possível. Há muitos que não concorde com este tipo de privilégio. Agindo assim, elas já se demonstram serem parciais, perdendo sua isenção. 

     Quem sabe as pressões que certamente virão acabará levando as emissoras a pronunciarem dando explicações a tais procedimentos. 

     Mas, retornando ao essencial que é a entrevista de Lula, realmente é uma decepção e mexe com a inteligência do homem. Uma destas decepções está em Lula dizer que demitiu seus auxiliares direto. 

     Foi à mídia de um modo geral, as instituições civis que se manifestaram; a oposição que alardeou a sociedade e, estas pessoas somente foram demitidos quando não havia mais condições morais e éticas para permanecerem no governo. Então, não foi o presidente que os demitiu, eles que foram obrigados a auto se demitirem pela pressão da sociedade – algo completamente diferente de serem demitidos no ato dos indícios. Tanto é verdade, que o ministro do banco central que está indiciado, mas como não existe pressão para deixar o cargo se mantem tranquilamente. 

     Ontem (14/09/2006) a Band deu total liberdade para o candidato Lula fazer sua campanha, na verdade, não foi uma entrevista e sim uma oportunidade do candidato fazer campanha, pois, em nenhum momento foi interpelado com perguntas que o levasse a dar explicações e sim, responder eleitoralmente as perguntas. A entrevista, mais perecia ser pós eleição. 

     Dizem que quando passamos por determinadas experiências, muitas vezes as explicações ou justificativas não nos convencem mais. E assim, podemos dizer que a explicação de Lula por não comparecer aos debates está claro que se deve ao resultado das pesquisas. Perde-se mais um candidato num debate quando o está num patamar favorável nas pesquisas que aqueles que estão lutando para melhorar os índices. Então, é somente por esta questão que muitos não participam de debates. Não passa de estratégia política. 

     Resumindo a entrevista, fica aqui a critica à Band e outras emissoras quanto ao privilegio que se dá ao então candidato a reeleição Lula, um tratamento diferenciado e também o cinismo de Lula ao dirigir a nação como se ela fosse boba, sonsa e facilmente ludibriada. É uma afronte a nossa inteligência. 

     Fugindo do tema proposto na crônica quero dar uma palhinha na atitude do eleitor que votará nulo, em branco ou irá abster-se nestas eleições. 

     O que me parece é que, quem pensa em anular, votar em branco ou mesmo abster-se nestas eleições são pessoas esclarecidas, talvez seja isto que vem incomodando as autoridades. Não são analfabetos ou a falta de saber manusear as urnas eletrônicas. 

     Particularmente sou contra este tipo de manifestação, pois certamente, votando assim estará privilegiando os maus políticos. Porem, se partimos do principio que infelizmente, o voto consciente é pouco; a maioria dos eleitores não tem a ética como principio de escolha o voto nulo acaba sendo válido, partindo da primicia que tais votos  nulos, brancos e a abstenção não iria contribuir para um país melhor, porque seriam vencidos da mesma forma caso não houvesse este tipo de manifestação. 

     Desta maneira, mesmo que este procedimento não altera juridicamente o pleito, tem como conseqüências substanciais como respostas a varias interrogações que podem ser analisadas a partir deste gesto. Uma delas é a pressão das instituições civis ao voto facultativo; a mobilização para propor novas regras ou leis eleitorais. Volto a repetir; as pessoas que pretendem agir desta forma neste pleito são pessoas culturalmente consciente e decepcionadas com os políticos e a maneira que vem sendo feito política no Brasil. 

     Por fim, mesmo que exista a campanha para não anular, votar em branco ou mesmo abster-se nestas eleições, acredito que se realmente ocorrer esta forma de protesto, poderemos tem quatro anos negros devido aos maus políticos que possam manter-se no poder, mas por outro lado, um marco na sociedade para uma nova transformação na ordem política brasileira. 

     O protesto político através deste gesto pode se comparar com o ato extremo da sociedade na busca de seus direitos e cidadania como a greve, a invasão de terra. São atos extremos da sociedade, sendo assim, vejo também este procedimento do eleitor anular, votar em branco ou abster-se de votar como um extremo repúdio a vergonha política de nossas instituições.
Ataíde Lemos
Enviado por Ataíde Lemos em 15/09/2006
Reeditado em 15/09/2006
Código do texto: T240792
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Livros à venda

Sobre o autor
Ataíde Lemos
Ouro Fino - Minas Gerais - Brasil, 51 anos
5266 textos (1218931 leituras)
5 e-livros (11751 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 16:23)
Ataíde Lemos

Site do Escritor