Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Trágico Flagelo

Todos nós temos o direito inalienável de sermos libertados da fome e da subnutrição.
     Não é possível termos um desenvolvimento pleno e conservarmos as nossas faculdades mentais, sendo vítimas constantes do flagelo da fome e da subnutrição.

     Nosso país não carece de alimentos, e sim de uma melhor distribuição de renda, de uma justiça maior. O poder é concentrado nas mãos de poucos e a penúria, a miséria é lamentavelmente presente na maioria.

     É verídico o ditado popular que diz que quem ajuda o pobre é o pobre. De acordo com o levantamento da ONU,os países em desenvolvimento, no programa de combate à pobreza, atingiram 90% da parte que lhes cabia, enquanto que os países  ricos,nem nos 50% chegaram.

      Deparo-me com estatísticas que me fazem refletir, e me apavoram. Queria ter o poder para mudar toda essa situação.Fico indignada e me sentindo impotente diante da constatação de que a espectativa de vida nos países mais pobres é de 38 anos.

      Gente....A cada 7 segundos morre uma criança, com menos de 5 anos de idade, por doenças decorrentes da falta de alimentação.Paro pra tentar imaginar a agonia, a sensação que a fome pode cauisar.Não consigo imaginar-me com fome sem ter o que comer.

      É muito difícil aceitar que milhões de irmãos meus morrem de fome por causa da  má distribuição de riquezas, pela ganância, pelo egoísmo e pela falta de humanitarismo.

      São tantas as providências que deveriam ser tomadas, para solucionar tal problema, mas aí é que nos deparamos com algo primordial.A vontade. A força de vontade dos que
têm o poder para mudar algo.

      Na verdade como todos nós sabemos, não há escassez de alimento e sim  falta de vontade para solucionar o problema. As secas e as inundações cada vez mais frequentes, as turbulências políticas, sociais e econômicas,o acesso à terra e os conflitos armados são grandes aliados para o aumento constante da fome.

      Bem como o egoísmo desinfreado, o materialismo e a ganância.

      Muitos de nós, intencionalmente, muitas vezes cooperamos para o aumento da pobreza, com nossas más atitudes.O desperdício por exemplo. Quanto alimento é jogado fora em nossas casas?
     
      O Brasil carrega o título de " Um dos  dez mais " do mundo a desperdiçar alimentos.A comida desperdiçada representa mais da metade do lixo produzido no Brasil.

      Você nunca se perguntou, ao  sair do restaurante, quanto do que é  utilizado para os clientes ali, vai para o lixo? Acredito que já tenha se pergunta ao menos uma vez. Pois é uma  coisa que nos vem automaticamente   a cabeça. Só nos restaurantes, bares, e afins, de 15% a50% do que é preparado para os clientes vai para o lixo, o que daria com certeza, para alimentar um bocado de gente.

      Hoje é tão comum vermos pessoas revirando as lixeiras em busca de alimentos. Nossa como isso me toca o coração. É desumano demais. Quantos cachorros são mais bem alimentados que nossos irmãos. Quantos sacos de rações caríssimos para cães de estimação. Não que isso esteja errado totalmente.

      Mas isso me faz pensar em muitas coisas...muitas mesmo. Eu poderia escrever infinitamente. Mostar todos os meus argumentos, mas tudo se torna pequeno demais  se não tiver a prática. Pouco  ajuda as teorias. Mas de grão em grão a galinha enche o papo, não é assim o ditado?


      Eu não disperdiçando alimentos, sendo mais honesto, e ajudando  na minha pequena contribuição fará muita diferença. Se cada um de nós despertarmos o sentimento de indignação perante a fome que assola o nosso irmão, talvez algo possa mudar em prol do flagelo da fome.Uma sementinha pode gerar uma árvore de conscientização para muitas pessoas.
   
milizinha
Enviado por milizinha em 15/09/2006
Reeditado em 20/05/2011
Código do texto: T241155

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
milizinha
Rio do Sul - Santa Catarina - Brasil, 52 anos
637 textos (94420 leituras)
1 áudios (272 audições)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 06/12/16 14:04)
milizinha