Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

IR AO BANHEIRO

(Da série: "Ponderações sobre episódios sem valor algum.")

Ir ao banheiro já foi uma missão bem mais fácil. Com o passar dos anos, com a vida moderna e com a tal da era da informação, ir ao banheiro está se tornando uma atividade muito complicada. Antigamente era só ir no banheiro, fazer um pipi legal e depois abrir a torneira pra executar a higiene pessoal. Secava minhas mãos numa toalha bordada meio que úmida e saia feliz da vida. Pronto. Sem mitos ou culpas. Hoje é diferente. Nós vamos ao banheiro cheios de medos e incertezas. Ontem na televisão um doutor falou sobre os zilhões de microorganismos maldosos que encontramos num simples banheiro. Pode ser até o banheiro da sua casa. Tem gente que odeia o banheiro da casa dos outros. Mas no fundo no fundo o perigo é basicamente o mesmo. O banheiro dos outros só tem o cheiro dos outros, mas os micróbios continuam sendo os mesmos. Tudo bem, desconsidere os banheiros de rodoviárias ou de estádios de futebol. Vamos considerar apenas os banheiros teoricamente ‘tragáveis’.
Um dos motivos que dificultam as nossas idas ao banheiro é o excesso de informação. Antigamente agente não tinha medo de germes, micróbios e bactérias. Hoje, qualquer sujeito sabe no mínimo o nome de alguma peste de se aloja num banheiro. Pra que isso? Era melhor na época em que agente só tinha nojo e pronto. Pra que dar nome aos bois?
Outro motivo que me leva a crer que está cada vez pior ir aos banheiros que existem por aí é que os banheiros estão muito modernos. Se você vai num shoping-center pela primeira vez na vida e tem que usar o maldito banheiro, passa vergonha. Se você estiver apertado, então nem se fala. É banheiro com pia sem torneira, com pia de acionamento por fotocélula, por pedal, acionamento eletrônico, equipamento limitador de papel higiênico, vaso sem descarga de cordinha, etc.
Lavar as mãos, por exemplo, é um horror. Antes apenas precisávamos determinar a pressão da água na torneira, esfregar, enxaguar e secar as mãos numas 10 toalhinhas de papel. Hoje você meleca toda a pia com sabonete liquido quando pede mais água pra fazer espuma. E se a torneira for daquelas com sensor de presença, você fica geralmente agitando as mãos, feito um tonto até a torneira perceber que existe um par de mãos implorando para serem lavadas. Para secar as mãos é outro martírio. O normal é termos que usar uma máquina de ar quente, famosa por alcançar a proeza de queimar a pele e mantê-la molhada ao mesmo tempo. Outra opção é aquela toalhinha gigante e rotativa, que não acaba nunca e de acordo com a teoria do fabricante é auto limpante a cada volta, quando está na parte interna do aparelho. Na pratica, ela fica é cada vez mais nojenta e grudenta.
Por essas e por outras, ir no banheiro é cada vez mais um desafio pra quem tem estômago, QI e paciência.
Martins Filho
Enviado por Martins Filho em 13/06/2005
Código do texto: T24281
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Martins Filho
Caxias do Sul - Rio Grande do Sul - Brasil, 38 anos
52 textos (5954 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 03/12/16 22:06)
Martins Filho