Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Ateliê da alma

Ateliê da alma

Os meus calejados, não mais que minh’alma tatuada por sulcos de amargas caminhadas, curvada e anciã, trôpega e hesitante, mas sempre tentando não sucumbir ante à chama,
que a impelia à frente galgar, o Alto escalar, o estreito ultrapassar.

Até que uma inacreditável hiper aceleração monitorou meu coração,inchando as artérias antes subnutridas do êxtase, qu’e finalmente deixou-se invadir e inflamar.
A alegria que nenhuma razão explicará jamais,
incrível beleza etérea me penetrava, algo verossímil,
algo provável, algo não merecido por um pecador que há tanto erra, permeando fadigas revoltantes, desassossegos excessivos.

Calei-me e permiti todo aquele silêncio sagrado me desvirginar.
Foi então que percebi o quanto não vivi, o quanto não respirei, o quanto não senti, o quanto não amei, o quanto não me comungara com a existência perfeita, até então.
Ah, eu que esperava tão crente, clamando com meus neurônios em avançado estado de exacerbado materialismo ...

Pela primeira vez senti meu ser plexo realmente solar, fluindo um eterno-presente. Outra vez nasci. Da ilusão ao verdadeiro, do inatingível ao abrangente, da suposição à certeza, da cegueira à Luz, do sonho teorizado à exultação suprema de quem se encanta ao vislumbrar o novo mundo – o real, o pleno, o absoluto.

Sim,tudo d’outrora eram sonhos bons e maus, mas sonhos, que resguardavam a verdadeira existência, cuja latência adormecida apenas dentro das noites claras sobrevivia, enquanto esperava desabrochar a rosa orvalhada na nova manhã.

Santos-SP-19/09/2006
Inês Marucci
Enviado por Inês Marucci em 19/09/2006
Código do texto: T243708
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Inês Marucci
Santos - São Paulo - Brasil, 54 anos
584 textos (23415 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 08/12/16 14:35)
Inês Marucci