Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

A inteireza dos Andradas

Prezados,

Vou dar-lhes a conhecer um texto assaz antigo, de Vasconcelos Drummond, que há muito comigo tenho, resquícios dos bancos escolares de uma escola pública que ajudava então reforçar caráter, já formados no lar, e sem os custos de hoje, destarte isso ainda deixe um enorme legado de excluídos e mau formados, devido a depauperação dos princípios e valores do cidadão.
Podem espalhar se assim acharem que também ajudam, mas não sem antes fazer um comparativo dos momentos atuais e o período imperial, que diga-se também não era uma maravilha, a distância do povo já se fazia mostrar, e na corte, também existiam seus abusos, eis que hoje penamos em parte devido a essa época, mas haviam exemplos de farta preocupação com o erário.

"A Inteireza dos Andradas

Acerca da pobreza de José Bonifácio, que não possuia mais de trinta mil réis, quando foi preso e deportado, contarei uma anedota, que não será lida sem interesse.
Os ministros da Regência de D. Pedro reduziram seus ordenados à metade do que eram em tempo de D. João VI.
Ficaram com quatro contos e oitocentos mil réis anuais, pagos mensalmente.
José Bonifácio, recebendo quatrocentos mil reis em bilhetes do Banco, de um mês do seu ordenado, os meteu no fundo do chapéu, e no teatro lhe roubaram o chapéu e o conteúdo.
O primeiro ministro do Império do Brasil achou-se no dia seguinte sem ter com que mandar comprar o jantar. Não possuia nem um vintem mais, e seu sobrinho Belchior Fernandes Pinheiro foi quem pagou as despesas do dia.
Em conselho José Bonifácio referiu essa ocorrência e a extrema necessidade a que ela o reduzira e a sua família.
O Imperador entendeu que o ministro, visto a penúria em que se achava, devera ser indenizado, pagando-se-lhe outro mês de ordenado, e nesse sentido, deu ali as suas ordens ao ministro da fazenda.
Martim Francisco não obedeceu. Disse ao Imperador que não havia lei que pusesse a cargo do Estado os descuidos dos empregados públicos; que o ano tinha para todos doze meses, e não treze para os protegidos; e finalmente, pedia a Sua Majestade retirasse a sua ordem, porque não era exeqüível. Que ele, Martin Francisco, repartiria com seu irmão o seu ordenado, e que viveriam ambos com mais parcimônia naquele mês, o que era melhor que dar ao país o funesto exemplo de se pagar ao ministro duas vezes o ordenado de um só mês."

Fonte: Português 1a./2a. Série - José Baptista da Luz - Cia. Editora
Nacional - 17a. Edição - Exemplar No. 1815 - Pag. 124
(Estimo que seja de 1.965)
Marco Antonio Pereira
Marco Antonio Pereira
Enviado por Marco Antonio Pereira em 24/09/2006
Código do texto: T248091
Classificação de conteúdo: seguro

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Marco Antonio Pereira
São Paulo - São Paulo - Brasil, 63 anos
212 textos (44629 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 04/12/16 06:35)
Marco Antonio Pereira