Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

...o saleiro está vazio...

   Foi de tanto rolar na cama que amanhecera com os olhos fundos, mal clareou e já estava de pé andando de um lado para o outro na ponta dos pés. A água borbulhando era prenúncio de um novo dia, o café dava forças para a nova jornada.
    Entrara mais um dia junto com o sol que parecia pálido, mas não podia perder a esperança de reconstruir as horas que cada vez ficavam mais perdidas. Os mesmos móveis, os mesmos hábitos, só a disposição já não parecia mais a mesma, o andar ficara lento e os olhos já não olhavam tão distantes embora a cada dia buscasse um esforçado sorriso para esboçar entre as mesmas quatro paredes.
    O corpo rangia junto com as portas mostrando o sinal dos tempos. No verão o sol alegrava o ambiente invadindo portas e janelas com a mesma intensidade que o frio e o vento no inverno; começava a se acostumar às lembranças dos dias floridos de risos e brincadeiras que não eram tão presentes mais. Poucos passos e estava de cara com a rua, se conformava em respirar fundo, repetir o mesmo ritual de anos a fio.
     Não havia muito mais a fazer senão se sentar e conduzir com as pontas dos dedos o que ainda sabia como fazer com competência e esperar que bons ventos trouxessem de volta dias de festejos e aqueles abraços calorosos que não se lembrava mais da quentura.
     Seus olhos não tinham mais o mesmo brilho, escondidos atrás daquela armação antiga, passavam o dia compenetrados em leituras e imagens coloridas, mergulhados em pensamentos tantos que não sabia mais traduzir em palavras, só emitia silêncios agora. Vez em quando ouvia-se uma música ao seu redor,  eram esses os raros momentos em que seus olhos sorriam calados. Não era mais dona nem do seu parco silêncio e mal se equilibrava nos saltos; um buraco na ampulheta havia quebrado sua ligação com o mundo.
    Perdia o dia dentro das horas, absorta, o calendário a assustava pois andava aos pulos sem que conseguisse acompanhá-lo; olhava-se no espelho a procura de si e só encontrava um fantasma reticente, cheio de dúvidas e incertezas. Distanciava-se sem mesmo querer, das conversas, dos encontros; guardava nas mãos doloridas a firmeza dos traços e a habilidade da escrita ainda que o peso das mãos transformasse em garranchos seus textos ditados pela agilidade da inspiração.
    O dia amanhecia e findava quase sempre no mesmo tom cinza, não conhecia novidades além das que sua imaginação lhe permitia sonhar. Fechava a porta do dia sempre no encontro dos ponteiros, dentro do seu coração a mesma angústia gritava sem que lhe ouvissem.
   À mesa os olhos regam de lágrimas a oração repetida indefinidamente; o corpo moído conta os minutos para se aquietar dentro de mais uma noite igual a tantas.
Angélica Teresa Almstadter
Enviado por Angélica Teresa Almstadter em 25/09/2006
Reeditado em 25/08/2010
Código do texto: T249242

Copyright © 2006. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
Angélica Teresa Almstadter
Campinas - São Paulo - Brasil, 62 anos
1054 textos (55644 leituras)
25 áudios (3274 audições)
1 e-livros (247 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 11/12/16 00:48)
Angélica Teresa Almstadter