Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Aniversário era dia de leitoa

Aniversario era dia de leitoa

Hoje é dia 26 de setembro!

Um dia que pode ser qualquer para a grande maioria das pessoas, mas para mim é muito especial. Afinal, nesta data, comemoro mais um aniversário. Para ser exato, 51 primaveras, velinhas, ou termo lá que queiram dar.

Às vezes me pego pensando que estou ficando “menos jovem”. E é verdade mesmo! Já passei meio século da minha vida. Não que pretenda viver 100 anos, mas metade eu já passei!

Se formos considerar em relação aos meus antepassados estou conseguindo bom índice. Minha avó paterna morreu com 69 anos. E eu a achava velhinha. Meu pai está com 81 anos. É acho que posso chegar aos 100 anos!

Mas, deixando as divagações de lado, lembro-me dos meus aniversários quando criança. Era uma festa! Ou melhor era uma grande festa, já que a grande festa, quando criança, ficava na organização da festa. Deixa eu explicar.

Morávamos em Copacabana e todos os anos meu tio Luiz me dava uma leitoa. Abatida é verdade, mas era minha. Como era apaixonado por bichos, achava aquilo o máximo e fazia daquele fato uma grande festa. (como estou escrevendo a palavra festa, mas era mesmo uma festa).

Saíamos meu pai, eu e minha mãe. Íamos no velho, que na época era novo, fusquinha vermelho de meu pai. Era quase uma viagem de duas horas até chegarmos a Santíssimo, na zona oeste no Rio.
 
Lá chegando éramos recebidos pelos meus tios Luiz e Etel e depois de algum tempo voltávamos com a leitoa e eu feliz da vida.

Podia chover, fazer sol, ser dia de semana. O dia 25 de setembro era o dia de buscar a leitoa.

O que a minha mãe e a Dó (dessa eu falo um dia) faziam com a leitoa eu não me lembro. Tentei, mas não lembrei, mas não me sai da memória a cena da leitoa abatida no chão do carro do meu pai, enrolada num saco plástico e eu passando as mãos na sua pelo bem lisa.

Esta descoberta, para um menino de 4 anos, era uma grande festa.

Uma festa que passado 46 anos ainda está na minha memória.

Tomara que nunca eu a esqueça!!!
Fernando de Barros
Enviado por Fernando de Barros em 25/09/2006
Código do texto: T249327
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre o autor
Fernando de Barros
Volta Redonda - Rio de Janeiro - Brasil
22 textos (999 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 07/12/16 12:42)
Fernando de Barros