Capa
Cadastro
Textos
Áudios
Autores
Mural
Escrivaninha
Ajuda
Textos
Texto

Insônia

Mais uma noite sem pregar os olhos. Levanto, procuro ajuda em versos perdidos, em palavras que consolem, em livros que me abracem. Um pouco de atenção, eu peço. O silêncio me conforta, quando grito por dentro e me calo entre tanta solidão.

Remexo em gavetas, em bagunças do passado, rasgo papéis e lembranças. Jogo fora o que, um dia, me trouxe dor. Visto meus demônios, choro sem ser ouvida e sem que outros se compadeçam. Não quero pena. De compaixão, já basta a minha.

As idéias se confrontam dentro de mim. Falo sozinha, como alguns costumam dizer. Na verdade, converso muito comigo mesma. Discuto, negocio, mas nunca chego num consenso. E não me compreendo mais. Perco-me dentro de mim e não sei onde fui parar.

Tento me encontrar de alguma forma. Entre mãos trêmulas e ombros pesados, descarrego raiva e angústia. Escrevo sem parar. Sem poder parar. Conto meus medos, minhas aflições e meus maiores segredos. Não me repreendo mais. Sinto-me livre como um pássaro. A dor que tanto me atormentava, adormece sobre frases, tinta e papel.

Não há nada mais que possa ser dito. Meu mundo se colore aos poucos. Volto a ser quem eu era. De fato, quem eu nunca fui. Assino os documentos que me condenam e me revelam. Escrevi minha própria sentença. E não me arrependo, passei tempo presa demais.

Volto a dormir. As noites sem sono agora me permitem que descanse sem nenhum peso na consciência.
pann
Enviado por pann em 28/09/2006
Código do texto: T251848
Enviar por e-mail
Denunciar

Comentários

Sobre a autora
pann
Porto Alegre - Rio Grande do Sul - Brasil, 34 anos
28 textos (4338 leituras)
(estatísticas atualizadas diariamente - última atualização em 10/12/16 09:06)
pann